Número total de visualizações de página

sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

a culpa é da dopamina

O que é o tempo? Qual a perceção que cada um nós tem sobre a passagem das horas? Porque é que há momentos que parecem infinitos e outros que nunca mais passam?
O cérebro não processa o tempo como um relógio o faz
ILUSTRAÇÃO DE GIL COSTA / FUNDAÇÃO CHAMPALIMAUD

Esta descoberta – até agora só tinha havido experiências no cérebro de ratinhos – é de tal modo importante para a comunidade científica que, pela primeira vez, um trabalho realizado nos laboratórios da Fundação Champalimaud, foi publicado na revista “Science”. 
Durante quatro anos, a equipa liderada por Joe Paton, investigador principal do Learning Lab - um laboratório do centro que se dedica a estudar a questões relacionadas com a aprendizagem [onde se incluem investigadores Sofia Soares e Bassam Atallah], tentou perceber como é que os neurónios dopaminérgicos, responsáveis por libertar dopamina*, poderiam ser determinantes no processo do processamento do tempo no nosso cérebro. "Estes neurónios são centrais para vários aspetos do comportamento existem muito estudos sobre a atividade da dopamina, que muitas vezes está envolvida na nossa sensação de recompensa e de bem estar " explica Joe Paton. @ Expresso
*Substância química neurotransmissora e estimuladora do sistema nervoso central.

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

PISA: apesar da crise, Portugal teve "progressos incríveis"



Portugal teve “progressos incríveis” no PISA, diz o diretor do departamento de Educação da OCDE, Andreas Schleicher, numa pequena entrevista por email ao PÚBLICO







Ministro deu os parabéns aos alunos e professores pelos resultados no PISA
Tiago Brandão Rodrigues teceu duras críticas ao sistema de retenção que coloca Portugal numa "montra em que não queremos estar". E apelou aos jovens para que pensem cientificamente.
Subida dos resultados dos alunos portugueses no PISA está a merecer destaque da imprensa internacional.
Uma subida que coloca Portugal, pela primeira vez, acima da média da OCDE. @ Público

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

sabia que há três universidades portuguesas entre as melhores da Europa?

O Financial Times elaborou o ranking das melhores escolas de negócios da Europa e há três portuguesas nesta lista.


A Católica, a Nova e a Universidade do Porto estão entre as melhores escolas de negócios da Europa.
Na lista do FT, a Católica ocupa a 23.ª posição, tal como a Universidade Nova de Lisboa.
A Universidade do Porto ficou no 62.º lugar.
Esta é a quinta vez consecutiva que a Universidade do Porto surge no ranking do Financial Times. A Católica subiu três lugares desde o ano passado e a Nova subiu cinco posições. @ Sol

"é entrar, senhorias, a ver o que cá se lavra..."





É entrar, senhorias, a ver o que cá se lavra...

Chegou a "Feira de artesanato e...", já habitual na nossa escola nesta altura do ano. 

Há um pouco de tudo. 

Um regalo para os olhos e para o paladar. 

Aproveitem.



segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

e se os presentes de Natal fossem apenas livros?

E se os presentes de Natal fossem apenas livros? Essa é uma tradição na Islândia. O país tem o costume de comemorar o natal com troca de livros. Além de evitar o consumismo exacerbado, a prática incentiva a leitura e promove a cultura.
Como a leitura é bem-vinda em qualquer época do ano, independente das condições do clima, essa é uma tradição que poderia ser replicada em qualquer lugar do mundo. Os pontos positivos desta prática são muitos, desde a economia financeira à sustentabilidade até à promoção de hábitos simples e prazerosos que estão cada vez mais esquecidos. O melhor de tudo é que, ao presentear alguém com um livro, não é necessário comprar um exemplar novo. Basta escrever uma dedicatória, escolher uma edição que tem em casa ou adquirida num alfarrabista e permitir que um novo leitor aproveite todo o prazer que essas páginas podem proporcionar.
Promover a leitura é muito simples, basta incentivá-la. Que tal começar a pôr isto em prática para que a troca de livros vire uma tradição apreciada e valorizada por todos? (texto adaptado de daqui)

domingo, 4 de dezembro de 2016

32 anos a Crescer



Hoje o CRESCER faz 32 anos.
É uma honra e um privilégio ser o projeto mais antigo da escola.

A todos agradecemos as palavras amigas e o carinho que dedicam a seguir-nos.

Por nós, "enquanto houver estrada para andar/a gente vai continuar/ enquanto houver ventos e mar/ a gente não vai parar".

Eduarda Ferreira e Manuela Couto

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

recordar para não esquecer


Comemorou-se ontem o Dia Mundial da Luta contra a SIDA e os alunos do Curso Profissional de Técnicos de Saúde, o 11º L, resolveram lembrar o dia para que não esqueçamos o drama.
Fizeram-no com cartazes e vagueando pela escola com painéis esclarecedores e aterradores.




vem aí o... Natal!

às 11h 15m
Que bela árvore!
Que se encha de muito amor, saúde e solidariedade.
às 8h 15m






















Pelas 11h 15m, a nossa árvore já estava diferente: os meninos das turmas A, B, C, D, E e F do 8º ano fizeram as estrelinhas e a professora Cristina Magalhães foi colocando.


quarta-feira, 30 de novembro de 2016

hoje é dia de... quê?

"... todos os dias são meus..."

Faz hoje 81 anos que morreu um dos grandes nomes da literatura portuguesa: Fernando Pessoa.


Fernando Pessoa, um nome reconhecido em todo o mundo pela vasta obra ortonímica e  heteronímica, nasceu a 13 de junho de 1888, na cidade de Lisboa, mas viveu grande parte da sua vida em Durban regressando a Lisboa em 1905 onde acabou por falecer.

Fernando Pessoa é conhecido como sendo poeta, escritor, publicitário, astrólogo, crítico literário entre muitas outras profissões.

No dia anterior à sua morte escreveu a sua última frase em inglês, "I know not what tomorrow will bring" ("Não sei o que o amanhã trará"). Morreu em Lisboa, no dia 30 de novembro de 1935, aos 47 anos.

Atualmente, os alunos de 12º ano encontram-se a estudar a poesia dos seus heterónimos para depois seguirem viagem para a sua grande obra, a Mensagem.


“Se depois de eu morrer. quiserem escrever a minha biografia, não há nada mais simples. Tenho só duas datas : a de minha nascença e a de minha morte. Entre uma e outra todos os dias são meus.......”, escreveu. Assim o queremos lembrar.



Liliana Ferreira e Patrícia Miranda

terça-feira, 29 de novembro de 2016

"que cena!"


Dirigido e fundado pela professora de português Amélia Lopes, este grupo - Que cena! - tem como objetivo demonstrar que o teatro não é exclusivamente feito por atores profissionais.  Qualquer um pode fazer! Para além  de ser divertido, mostramos a nossa dedicação a esta arte . 
Após alguns meses de pausa, regressamos com atuação agendada da nossa peça "A farsa de Inês Pereira", no dia 14, à porta fechada, e dia 16, na festa de Natal. Dia 4 de janeiro iremos atuar na Escola Secundária da Maia . 
Muitas surpresas estão para vir!

Cláudia Leite 

o ator António Fonseca apresenta o audiolivro integral de "Os Lusíadas"

O ator António Fonseca(tão nosso conhecido da TV e de ter vindo várias vezes à nossa escola) apresenta hoje, no Teatro São Luiz, em Lisboa, o audiolivro com a interpretação integral de "Os Lusíadas", a epopeia de Luís Vaz de Camões, que conta com a participação de comunidades lusófonas espalhadas pelo mundo.

António Fonseca

O audiolivro "Os Lusíadas como nunca os ouviu" inclui o texto de Camões e sete CD que registam a interpretação vocal da obra. A edição, de mil exemplares, foi custeada por António Fonseca, em parceria com a editora Caleidoscópio.
"Estou muito contente. Se perder dinheiro... Bom, o dinheiro não é tudo. Faço isto porque 'curto' imenso o texto. E acho que as outras pessoas também 'curtiriam' se fossem provocadas para isso. As pessoas conhecem a obra, estão familiarizadas, mas estão arredadas da fruição por preconceito ou por uma má experiência", disse António Fonseca à agência Lusa.

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

para mais tarde recordar

A passada sexta-feira foi muito rica em atividades que mobilizaram muitas pessoas, desta casa e do agrupamento, como o CRESCER noticiou em cima dos acontecimentos.
No entanto, porque há imagens que dizem mais do que mil palavras, aqui ficam alguns registos, feitos pelo Joaquim Santos, para mais tarde recordar.
Os laboratórios abertos:
















E a lojinha "Gota a Gota":





sexta-feira, 25 de novembro de 2016

"gota a gota"


Abriu hoje, no intervalo grande da manhã, a lojinha "Gota a Gota". Nela podem encontrar os mais diversos objetos para se oferecerem a si mesmos ou a outrém. Com o Natal à porta, as oportunidades não podem escapar.

O mais curioso de tudo é que há uma equipa de alunos, do 9º B, que agarrou o projeto e acredita que gota a gota, se pode acreditar.

Por outras palavras, se cada um dos membros desta nossa escola gastar 1 euro na lojinha, é possível conseguir 2500 euros a favor da associação "Acreditar". Acreditam nisto? Pois é verdade. A Matemática não engana, que o diga a professora Maria João Peres, dinamizadora deste projeto.

hoje é o dia C, dia da Cultura Científica



Nos laboratórios de física e de biologia pôde ver-se ou experimentar a luz encarnada, bolas que flutuam no ar, molas a descer harmoniosamente uma escada, como as forças de inércia não deixam cair a água de um recipiente com a abertura para baixo, como “ver” o som, luz a criar movimento, bolas de sabão permanentes, células animais e vegetais, isto e muito mais.







A escolha desta data constitui uma homenagem a Rómulo de Carvalho, professor, pedagogo, poeta, investigador, nascido a 24 de novembro de 1906 em Lisboa.
Rómulo de Carvalho publicou cerca de 100 obras, desde livros de divulgação científica a poesia com o pseudónimo de António Gedeão.
Desde 1996, a data do seu nascimento ou outra muito próxima, tem sido motivo para ações de promoção da ciência e do conhecimento científico e tecnológico, área a que Rómulo de Carvalho se dedicou ao longo da sua vida.

Sérgio Viana

Dele é o seguinte poema:


CATEDRAL DE BURGOS
A catedral de Burgos tem trinta metros de altura
E as pupilas dos meus olhos dois milímetros de abertura.
Olha a catedral de Burgos com trinta metros de altura!

última hora: laboratórios abertos


Hoje, dia 25, seguindo uma tradição com vários anos, os alunos do 4º ano de todas as escolas do agrupamento vieram ter a sua primeira experiência laboratorial.

No laboratório da biologia, foi possível ver de perto diversas partes do corpo humano, tais como esqueletos, crânios e outros afins, bem como tocar num coração de porco. Na estação seguinte, os meninos viram um "vulcão", também puderam fazer bolas de sabão permanentes, que não rebentavam, e ainda, puderam tocar num “pega-monstros”.
No laboratório de física, viram como quando se embebe um papel ou uma nota (o que foi usado para a demonstração) em água e álcool e se ateia, estes não ardem. Também viram o efeito da refração, no modo como a água permite ver bem os objetos (neste caso, os pesos). Passando para o seguinte “posto”, os meninos viram a diferença de pressões com a água quente e a fria faz com que, num efeito de sucção, a lata fique amolgada, e ainda viram como a força gravitacional afeta as molas de modo a que estas desçam as escadas.
Os meninos perceberam que o ar quente tem tendência a subir e o frio a descer. Por fim, perceberam que o nosso som, convertido em correntes elétricas, é possível ser visto num gráfico e que o diapasão é o único instrumento que produz som puro.

Concluindo, o dia da ciência, é uma das primeiras oportunidades, para os mais pequenos poderem entrar num ambiente laboratorial e para se irem ambientado à escola que provavelmente vão frequentar.
Gonçalo Morais

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Ir...

O fim de semana aproxima-se e a Liliana Ferreira e a Patrícia Miranda deixam as suas sugestões na rubrica "Ir...".

Museu da Farmácia

Uma das nossas sugestões para este fim-de-semana encontra-se na zona industrial do Porto onde, por entre armazéns e stands, irá encontrar um museu relacionado com a evolução e história da farmácia, para além de encontrar as réplicas de duas farmácias antigas, a farmácia Estácio, fundada em 1924 no Porto (início do século XX) e uma outra farmácia que pertencia a um palácio islâmico (fundada no século XIX).
O custo da visita ronda os 5€, sendo gratuito para crianças até aos 2 anos. Encontra-se aberto em dias úteis e aos sábados das 14h até às 18h.
Morada: Rua Engª Ferreira Dias, nº 728
Mais informações em http://www.museudafarmacia.pt/

Hard Rock Porto

A espera terminou. Um dos maiores cafés do mundo chegou por fim à Invicta.
O Hard Rock Café é um espaço dedicado à música, possuindo no seu interior objetos que pertenceram a algumas celebridades, desde umas botas usadas por Madonna até a artigos que pertenceram ao rei do Rock & Roll, Elvis Presley.
O edifício encontra-se na rua da Almada, no número 120, e no rés-do-chão poderá encontrar a Rock Shop (onde se encontram as famosas camisolas) e o bar, sendo os outros dois pisos destinados à finalidade de restaurante e neles também se encontram pequenos bares.
O espaço mantém os traços do edifício antigo dando-lhe um toque moderno com os elementos Rock e um elemento mais tradicional com a recriação dos azulejos portugueses. Na carta, a variedade não difere dos outros cafés ao redor do mundo com uma pequena exceção, o Hard Rock Porto serve a nossa especialidade, a francesinha. 
Funciona das 10h às 02h.

Aproveite o fim-de-semana para ir conhecer estes espaços.

os cantinhos da escola



Vamos lá adivinhar o que é?


Uma imagem apelativa?

Um objeto de design?

Pista: temos muitas destas "peças" espalhadas pela escola à espera de nunca serem utilizadas.

haja saúde, sim?

O último relatório da OCDE afirma que as mulheres portuguesas são das que vivem mais anos no conjunto da UE: 84,4 anos. Mas 29 são vividos com pouca saúde.
AFP/Getty Images
A esperança média de vida na União Europeia está a aumentar a olhos vistos, numa média de três meses por cada ano que passa. Em 2014, rondava os 80,9 anos no conjunto dos estados-membros, de acordo com o mais recente relatório da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico (OCDE) — OECD Health at a Glance: Europe 2016. E, neste capítulo, Portugal aparece em destaque: as mulheres portuguesas são das que vivem mais anos no conjunto dos Estados-membros da UE: 84,4 anos. Maior longevidade só mesmo em Espanha — as espanholas vivem, em média, 86,2 anos –, em França (as francesas vivem 86 anos) e em Itália (85,6 anos). A esperança média de vida das mulheres na UE rondava, em 2014, os 83,6 anos. 

Mas se, por um lado, as mulheres portuguesas vivem muitos anos, por outro, são as que vivem mais anos com uma atividade limitada, por falta de saúde. Dos 84,4 anos, apenas 55,4 anos são vividos com saúde, ou seja, as mulheres portuguesas vivem 29 anos com pouca saúde. Na UE a 28, as mulheres vivem 21,8 anos com pouca saúde.No que diz respeito aos homens, os portugueses vivem, em média, 78 anos, em linha com a média da UE (78,1 anos). Desses, 19,7 anos são vividos já com pouca saúde, o que coloca também Portugal entre os países em que os homens vivem mais anos sem saúde. @ Obervador