Número total de visualizações de página

quinta-feira, 31 de janeiro de 2019

de Moutidos: os MiniChef e os Ídolos


 No passado dia 25 de janeiro realizou-se mais um sensacional concurso culinário MiniChef Moutidos - Desafio Final.


Nesta que é a primeira de três edições para 2019 concorreram os alunos do 1º e 2º anos da EB de Moutidos.
14 minichefs apresentaram as suas fabulosas criações aos jurados do concurso e no final o Gonçalo Santos Quintela foi declarado campeão e novo MiniChef Moutidos 1º e 2º anos.
Em março será a vez dos minichefs do 3º e 4º anos medirem forças e, como já é uma tradição, no final de maio acontecerá a 6ª edição do concurso mãe, o da pré escola de Moutidos.
Aguardem por mais novidades e parabéns a todos os participantes!


E como o tempo passa muito depressa realizou-se na tarde do dia 30/01 a 9ª edição do emblemático concurso , na AAF do JI de Moutidos.
Este ano o evento contou também com uma performance exclusiva da mítica banda "ABBA".
Para o ano há mais!
cortesia de Ricardo Mazzei

"se a Nossa Senhora das Candeias estiver a rir, está o Inverno para vir, se estiver a chorar, está o Inverno a passar"



                   Le Club de Français 

                           t’invite à venir fêter 

                 La Chandeleur*

Mardi 5 février

 On fait sauter les crêpes!
 
   
PS:  Apporte de l’argent pour te régaler!

                                                                                                                                                         cortesia do Clube de Francês

* Quer coisa melhor do que ter um dia consagrado a comer crepes? Pois é, o dia 2 de fevereiro, em França, acabou por se consagrar o dia do crepe. A origem dessa comemoração é a festa da Chandeleur ou Fête des Chandelles (que corresponde à celebração do dia de Nossa Senhora das Candeias no Brasil e de Nossa Senhora da Luz em Portugal) festa essa em que se acendem candeias para solicitar proteção divina para as colheitas. Mas o que é facto é que em fevereiro, na Europa, os dias começam a ser mais longos. Então, os crepes, sendo redondos e dourados, também simbolizavam o sol que voltava finalmente após as longas e frias noites de inverno. 
À luz das candeias saboreiem-se os doces crepes!
E não esqueça: se o tempo estiver de sol no Dia da Senhora das Candeias, o inverno está a chegar, mas se chover nesse dia, o inverno está a acabar.

quarta-feira, 30 de janeiro de 2019

1200 alunos de 17 escolas formaram uma tabela periódica humana no Porto

Reconhecida internacionalmente como um instrumento que facilita o estudo da química, seja entre estudantes ou profissionais, a tabela periódica completa 150 anos. Em todo o país decorreram iniciativas para assinalar a abertura do ano oficial. No Porto mais de 1200 alunos juntaram-se nos Aliados.
foto de PÚBLICO
Todas as turmas do 10º ano do curso de Ciências e Tecnologias participaram neste evento, terça feira, dia 29 de janeiro e vinte dos nossos alunos fizeram parte da Tabela Períódica Humana, que se formou frente à Câmara do Porto.
Alguns dos nossos alunos foram entrevistados pelo Porto Canal. Vejam a reportagem no Porto Canal em: http://portocanal.sapo.pt/noticia/176541

OPE: dar voz aos alunos




O Orçamento Participativo das Escolas (OPE) é um processo democrático, com várias etapas, que garante aos estudantes a possibilidade de participarem, de acordo com as suas ideias, preferências e vontades, no desenvolvimento de um projeto que contribua para a melhoria da sua escola.
O OPE pretende fomentar o espírito de participação e de cidadania e valorizar a opinião dos estudantes em decisões que os afetam diretamente.
Com o OPE estimulam-se as escolhas responsáveis, a familiaridade com os mecanismos do voto e a participação na execução das escolhas efetuadas.
Pelo terceiro ano consecutivo, os estudantes do 3.º ciclo do ensino básico e do ensino secundário vão poder decidir o que querem melhorar na sua escola. Para isso, precisam de ter uma ideia, reunir apoio e, claro, conseguirem os votos dos colegas! Trata-se de um processo democrático que acontece em cada escola.
Tal como consta no regulamento, o OPEscolas tem as seguintes etapas:
1 - Desenvolvimento e apresentação das propostas: até ao final de fevereiro;
2 - Divulgação e debate das propostas: nos 10 dias úteis anteriores à votação;
3 - Votação das propostas: este ano o Dia do Estudante, 24 de março, é um domingo, pelo que deve ser marcada num dia útil anterior a esta data;
4 - Divulgação dos resultados: até ao final de março;
5 - Planeamento da execução pela escola: até ao final de maio;
6 - Execução da medida: até ao final do respetivo ano civil
7 - A melhor proposta será votada no final de março.
Para participar deves escrever um texto com a tua ideia, com um máximo de 1000 palavras, com ou sem imagem. Em seguida, entregas a tua ideia preferencialmente em https://opescolas.pt/inscricao/ ou na secretaria da tua escola, ou por correio eletrónico, durante o mês de fevereiro. Podes apresentar uma ideia individualmente ou em grupo (máximo de 5 estudantes) e tens que recolher o apoio de, pelo menos, 5% dos alunos que frequentam o 3.º ciclo do ensino básico e/ou do ensino secundário na tua escola. O apoio deve ser anexado à candidatura e, para isso, os teus apoiantes têm que que se identificar, escrevendo o nome, o número de estudante e assinando. Caso entregues a tua proposta online, basta digitalizares esse papel com os apoios ou tirar uma fotografia à folha e anexares como ficheiro, no campo criado para o efeito. A tua proposta será considerada elegível se:
Não são consideradas propostas que apenas beneficiem o grupo de alunos que as apresentam, que esgotem a sua finalidade no ano em que são implementadas (por exemplo: visita de estudo para a turma x;…), ou que sejam contrárias à lei.

Podes encontrar mais informações em https://opescolas.pt/#/

cortesia de Carmen Madureira

"Gota a Gota" é a nossa loja solidária

Gota a Gota é a nossa loja solidária. Todos os lucros serão oferecidos às crianças vítimas de cancro. Abrimos a porta da nossa loja social na manhã do dia 23 de janeiro, com pompa e circunstância: cânticos, discurso, bolo de coco e um porto vintage.

Obrigado aos alunos do 8ºB pelas suas vozes afinadas e alegres. Obrigado a todos aqueles que decidirem nesta loja adquirir lembranças e ofertas, ou aqui deixar bens de que já não precisam e possam ser partilhados. Bem hajam! Ajudar os outros é investir no tesouro valioso da nossa própria vida. Um abraço amigo para todos.
cortesia de Eleutério Gomes

terça-feira, 29 de janeiro de 2019

"foge do Gabriel!"

       Foi assim que um colega de trabalho, sempre bem humorado, me cumprimentou ao cruzar-se comigo à porta da escola: "Foge do Gabriel!". Confesso que, numa fração de segundos, me ocorreram os mais diferentes pensamentos. Fiquei a pensar de que Gabriel falava ele. Este ano não tenho nenhum aluno de nome Gabriel, nem tenho por hábito fugir de ninguém. Intrigada, veio-me à memória um ex-colega de trabalho com esse nome, mas se fosse ele nunca seria para fugir antes abraçar. Até que me lembrei que se dão nomes às tempestades. Claro! E vindo de quem viera a frase, só poderia ser alusiva ao Gabriel que entretanto se fazia sentir na forma como ventava. Já em casa averiguei a história dos nomes e as previsões do IPMA. 
          Fugi do Gabriel, António! :)
Manuela Couto

Foto: Filipe Pinto/Arquivo Global Imagens

Sabia que? Os meteorologistas norte-americanos usam nomes para identificar os diversos ciclones que afetam o país, desde 1950, para, assim, facilitarem a comunicação e as mensagens de prevenção junto da população? Durante muitos anos, foram os próprios marinheiros a batizarem as intempéries, mas esse tipo de classificação nunca foi oficial.
Também sabia que em solo europeu, entre 1954 e 2017, este era um trabalho da responsabilidade da Universidade Livre de Berlim? Agora, as tempestades que afetam a Europa são nomeadas com base em duas listas de nomes preestabelecidos pelos serviços meteorológicos de dois grupos de três países: França, Espanha e Portugal de um lado, e o Reino Unido, Holanda e Irlanda do outro.
E que quando um dos três serviços meteorológicos - IPMA, Aemet ou Météo-France - ativar um aviso laranja ou vermelho devido à aproximação de uma tempestade deverá denominar o fenómeno de acordo com a lista pré-definida? O nome utilizado será da lista do grupo de países que é atingido primeiro pela tempestade. Mesmo que a tempestade atinja depois um país do outro grupo o nome mantém-se.
Assim, em França, Espanha e Portugal os nomes sãoAdrian, Beatriz, Carlos, Diana, Etienne, Flora, Gabriel, Helena, Isaias, Julia, Kyllian, Laura, Miguel, Nicole, Oscar, Patricia, Roberto, Sara, Teo, Vanessa e Walid.
E no Reino Unido, Holanda e Irlanda os nomes são: Ali, Bronagh, Callum, Deirdre, Erik, Freya, Gareth, Hannah, Idris, Jane, Kevin, Lily, Max, Niamh, Oliver, Peggy, Ross, Saoirse, Tristan, Violet e Wyn
Portugal continental vai ser afetado a partir de terça-feira pela tempestade Gabriel, prevendo-se períodos de chuva, queda de neve e vento forte. O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) diz que vamos ter frio; chuva; vento forte; neve; neblina ou nevoeiro matinal e  que as temperaturas mínimas vão oscilar entre os 01 grau e os 09.
Pois bem, acautele-se do Gabriel, antes que venha a Helena! 

segunda-feira, 28 de janeiro de 2019

o 10ºF visitou Rates e Rio Mau

       Seguindo a rota de estudo de monumentos de arte românica, os alunos do 10º F visitaram, em 25 de janeiro, S. Pedro de Rates e S. Cristóvão de Rio Mau, orientados pelo arqueólogo José Flores. Aqui tiveram a oportunidade de conhecer in loco, características específicas destes monumentos e consolidar aprendizagens no âmbito do módulo "Cultura do Mosteiro", na disciplina de História da Cultura e das Artes. 







cortesia de Ana Sousa

"de mãos dadas com a saúde" (2)

A escola educa. E educar é saber. O saber não ocupa lugar e estar informado é estar atento. 
A rubrica "de mãos dadas com a saúde", tem por objetivo partilhar informação sobre cancro, numa parceria com o blogue "He and She" da escola e com a Liga Portuguesa Contra o Cancro.




FATORES DE RISCO

Muitas vezes, os médicos não conseguem explicar porque é que uma pessoa desenvolve cancro e outra não. No entanto, a investigação demonstra que determinados factores de risco aumentam a probabilidade de uma pessoa vir a desenvolver cancro. Globalmente, os factores de risco mais comuns, para o cancro, são apresentados em seguida:
·       Envelhecimento.
·       Tabaco.
·       Luz solar.
·       Radiação ionizante.
·       Determinados químicos e outras substâncias.
·       Alguns vírus e bactérias.
·       Determinadas hormonas.
·       Álcool.
·       Dieta pobre, falta de actividade física ou excesso de peso.

Muitos destes factores de risco podem ser evitados. Outros, como por exemplo a história familiar, não podem; como tal, é importante referir sempre ao médico quaisquer dados clínicos familiares relevantes que existam na família. Relativamente aos factores de risco conhecidos, que não sejam "familiares" (como a exposição excessiva à luz solar, o tabaco, o álcool, a dieta rica em gorduras, a falta de exercício físico, etc.) deve, sempre que possível, evitá-los.´Se pensa que pode apresentar risco aumentado para ter cancro, deverá discutir essa preocupação com o médico; poderá saber como reduzir o risco e qual será o calendário ideal para fazer exames regulares. Com o passar do tempo, vários factores podem agir conjuntamente, para fazer com que células normais se tornem cancerígenas. Quando se avalia o risco de ter cancro, devem sempre ser considerados esses factores:
·       Nem tudo causa cancro.
·       O cancro não é causado por uma ferida, um inchaço ou uma equimose.
·       O cancro não é contagioso: ninguém ?apanha? cancro de outra pessoa.
·       Estar infectado com um vírus ou bactéria poder aumentar o risco para alguns tipos de cancro.
·       Se tiver um ou mais factores de risco, não quer dizer que venha a ter cancro; a maior parte das pessoas que têm factores de risco nunca irá desenvolver cancro.
·       Algumas pessoas são mais sensíveis que outras, aos factores de risco conhecidos.

Em seguida, será apresentada informação mais detalhada sobre os factores de risco mais comuns para cancro.
Envelhecimento
O factor de risco mais importante para ter cancro é o envelhecimento. A maioria dos cancros ocorre em pessoas com mais de 65 anos. No entanto, o cancro pode surgir em pessoas de todas as idades, incluindo crianças.
Tabaco
O uso do tabaco é a causa de morte que mais se pode prevenir. Em Portugal, todos os anos morrem cerca de 3100 pessoas com cancro do pulmão. Usar produtos de tabaco ou estar regularmente em contacto com o fumo (fumador ambiental, passivo ou secundário), aumenta o risco de cancro. É mais provável que os fumadores desenvolvam cancro dos pulmões, laringe, boca, esófago, bexiga, rins, garganta, estômago, pâncreas ou colo do útero, do que os não fumadores. Também é mais provável que desenvolvam leucemia mielóide aguda (tumor que tem início nas células do sangue). As pessoas que usam tabaco sem fumo, como o tabaco para cheirar ou para mastigar, têm risco aumentado para cancro da boca. Deixar de fumar é importante para qualquer pessoa que use tabaco, mesmo para pessoas que fumaram durante muitos anos; o risco de ter cancro em pessoas que deixam de fumar é menor do que o risco das pessoas que continuam a fumar; no entanto, o risco de ter cancro é, geralmente, mais baixo nas pessoas que nunca fumaram. Para pessoas que já tiveram cancro, deixar de fumar pode reduzir a probabilidade de terem outro cancro. Se quiser deixar de fumar, consulte o seu médico; já existem diversos medicamentos ou terapêuticas de substituição da nicotina, como um adesivo, uma pastilha elástica, um rebuçado, um spray nasal ou um inalador.
Luz Solar
A radiação ultravioleta (UV) provém do sol, de lâmpadas solares e de câmaras de bronzeamento; provoca envelhecimento precoce da pele e alterações que podem originar cancro de pele. Os médicos encorajam as pessoas de todas as idades a limitar o tempo de exposição ao sol, bem como a evitar outras fontes de radiação UV:
·       Sempre que possível, evite o sol do meio-dia (meio da manhã até ao fim da tarde).
·       Deve proteger-se da radiação UV reflectida pela areia, água, neve e gelo: as radiações UV "atravessam" as roupas leves, os vidros do carro e as janelas. Use mangas compridas, calças, chapéu de aba larga e óculos de sol com lentes que absorvam os raios UV.
·       Use sempre protector solar, pois pode ajudar a prevenir o cancro de pele, especialmente se o protector solar tiver um factor de protecção solar (SPF) igual ou superior a 15; ainda assim, o sol do "meio-dia" deve ser evitado e deve usar roupas que protejam eficazmente a pele.
·       Não utilize lâmpadas solares nem câmaras de bronzeamento (solários); ao contrário do que se possa pensar, estas fontes de radiação não são mais seguras que a luz directa do sol.
·       Proteja-se do sol.
Radiação Ionizante
A radiação ionizante pode causar danos na pele que levam à formação de tumores. Este tipo de radiação provém de raios que entram na nossa atmosfera (terrestre), vindos do espaço exterior, poeiras radioactivas, gás radão, raios-X, entre outras fontes. As poeiras radioactivas podem provir de acidentes de fábricas de energia nuclear ou da produção, teste ou uso de armas radioactivas. As pessoas expostas às poeiras radioactivas, apresentam um risco aumentado de ter cancro, especialmente leucemia e cancros da tiróide, mama, pulmão e estômago.
O radão é um gás radioactivo que não se vê, não se cheira e não tem sabor. Forma-se no solo e nas rochas. As pessoas que trabalham em minas podem estar expostas ao gás radão. Em algumas zonas do país, encontra-se radão. As pessoas expostas ao radão apresentam um risco aumentado para terem cancro do pulmão.
Alguns procedimentos médicos são uma fonte de radiação:
·       Os médicos usam a radiação (raios-X de baixa dose) para fazer imagens do interior do nosso corpo (radiografias). Estas imagens ajudam a diagnosticar, por exemplo, ossos partidos, entre outros problemas.
·       Os médicos usam, também, a radioterapia para tratar o cancro (radiação de dose elevada, emitida por grandes máquinas ou por substâncias radioactivas). O risco de cancro, a partir de raios-X de baixa dose, é extremamente pequeno. O risco da radioterapia é ligeiramente maior. Para ambos, o benefício é quase sempre superior ao pequeno risco.
·       Se pensa que está em risco de cancro, devido a radiações, deve falar com o médico.
·       Fale com o médico ou dentista acerca da necessidade de fazer um raio-X; deverá, também, pedir que seja utilizada protecção nas partes do corpo que não necessitem de aparecer, em detalhe, na imagem.
·       As pessoas com cancro devem falar com o médico, relativamente à possibilidade do tratamento com radiação (radioterapia) poder aumentar o risco de, mais tarde, ter um segundo cancro.
Determinação Químicos e Outras Substâncias
Pessoas com determinados empregos (pintores, trabalhadores da construção civil e da indústria química), apresentam um risco aumentado para desenvolver um tumor. Muitos estudos demonstraram que a exposição ao amianto, benzeno, cádmio, níquel ou cloreto de vinilo, no local de trabalho, podem causar cancro. Siga sempre as instruções e conselhos de segurança, para evitar ou reduzir o contacto com substâncias perigosas, tanto no emprego como em casa. Apesar de o risco ser maior para trabalhadores com anos de exposição, também em casa deverá ter cuidado, quando manipula pesticidas, óleo de motor usado, tinta, solventes e outros químicos.
Alguns Vírus e Bactérias
Estar infectado com determinados vírus e bactérias pode aumentar o risco de desenvolver alguns tumores:
·       Vírus do Papiloma humano (HPV):  a infecção por HPV é a principal causa de cancro do colo do útero; pode, ainda, ser um factor de risco para outro tipo de tumores.
·       Vírus da hepatite B e C:  o cancro do fígado pode desenvolver-se, muitos anos depois da infecção com hepatite B ou hepatite C.
·       Vírus dos linfomas T humanos (HTLV-1):  a infecção por HTLV -1 aumenta o risco de desenvolver linfoma e leucemia.
·       Vírus da imunodeficiência humana (HIV):  o HIV é o vírus que provoca a SIDA (síndrome da imunodeficiência adquirida). As pessoas que estão infectadas com o HIV , têm maior risco de desenvolver cancro: linfoma e um tipo de tumor raro, chamado Sarcoma de Kaposi .
·       Vírus de Epstein-Barr (EBV):  a infecção com EBV tem sido associada a um risco aumentado de linfoma.
·       Vírus do Herpes Humano 8 (HHV8):  este vírus é factor de risco para o Sarcoma de Kaposi .
·       Helicobacter pylori:  esta bactéria pode causar úlceras no estômago; pode, ainda, causar cancro do estômago e linfoma, no revestimento do estômago.

Não tenha relações sexuais sem protecção; não partilhe agulhas ou quaisquer objectos cortantes ou que possam estar contaminados com sangue. Se não for prudente, pode "apanhar" uma infecção por HPV ou por HIV , pode apanhar hepatite B ou hepatite C.
Poderá considerar fazer a vacina que previne a hepatite B. Os profissionais de saúde e todas as pessoas que estejam em contacto com sangue de outras pessoas, devem pedir ao médico para fazer esta vacina. Se pensa que pode estar em risco para infecção por HIV ou hepatite, peça ao médico para fazer o teste; estas infecções podem não causar sintomas, mas as análises ao sangue detectam se o vírus está presente. Se assim for, o médico poderá tratar a infecção. O médico pode, também, explicar como evitar infectar outras pessoas.
Se tem problemas de estômago regulares, vá ao médico; a infecção por H. Pylori pode ser detectada e tratada.
Determinadas Hormonas
Os médicos podem recomendar tratamento com hormonas (apenas estrogénio ou estrogénio com progesterona), para ajudar a controlar alguns problemas que podem surgir durante a menopausa, como afrontamentos, secura vaginal e enfraquecimento dos ossos. No entanto, alguns estudos demonstram que a terapêutica hormonal, na menopausa, pode causar efeitos secundários graves: pode aumentar o risco de cancro da mama, de enfarte do miocárdio, de acidente vascular cerebral ou formação de trombos (pequenos coágulos de sangue que podem entupir veias ou artérias). Uma mulher que esteja a pensar fazer terapêutica hormonal, na menopausa, deve discutir os possíveis riscos e benefícios com o médico.
Álcool
Beber mais de duas bebidas alcoólicas por dia, durante muitos anos, pode aumentar a probabilidade de desenvolver cancro da boca, da garganta, do esófago, da laringe, do fígado e da mama. O risco aumenta com a quantidade de álcool que uma pessoa bebe. Na maioria destes cancros, o risco é mais elevado se a pessoa também fumar. As pessoas que bebem, devem fazê-lo com moderação: significa não beber mais do que uma bebida alcoólica por dia, nas mulheres e não mais que duas bebidas alcoólicas por dia, nos homens.
Dieta Pobre, Falta de Actividade Física ou Excesso de Peso
As pessoas que têm uma dieta pobre, que não praticam actividade física suficiente, ou que têm excesso de peso, podem ter um risco aumentado para vários tipos de cancro. Por exemplo, alguns estudos sugerem que as pessoas cuja dieta é rica em gorduras, têm um risco aumentado para cancro do cólon, do útero e da próstata. Por outro lado, a falta de actividade física e o excesso de peso, são factores de risco para cancro da mama, do cólon, do esófago, dos rins e do útero.
Faça uma dieta rica em frutas e vegetais.
Fazer uma dieta saudável, ser fisicamente activo e manter um peso adequado, pode ajudar a reduzir o risco de desenvolver cancro. Para tal, o médico sugere:
·       Coma bem:  uma dieta saudável inclui muitos alimentos ricos em fibra, vitaminas e minerais: inclui pão e cereais integrais e 5 a 9 doses de fruta e vegetais, todos os dias. Uma dieta saudável significa, também, limitar os alimentos ricos em gordura, como manteiga, leite gordo, fritos e carne vermelha (vaca, porco).
·       Seja activo e mantenha um peso adequado:  a actividade física pode ajudar a controlar o peso e a reduzir a gordura corporal. A maioria dos investigadores concorda que um adulto deve fazer actividade física moderada, tal como andar energicamente, durante pelo menos 30 minutos, em 5 ou mais dias da semana. 
Fonte: Liga Portuguesa Contra o Cancro

sexta-feira, 25 de janeiro de 2019

escolas que mais reutilizam manuais recebem 10 mil euros


Governo lança esta quinta-feira uma campanha para promover a reutilização dos livros escolares, que inclui um prémio para as 20 escolas com taxas de reutilização mais elevada e um selo para distinguir 100 escolas como exemplos de boas práticas.
As 20 escolas públicas que mais manuais escolares reutilizarem vão passar a receber dez mil euros no início de cada ano lectivo, disse ao PÚBLICO Alexandra Leitão, a secretária de Estado adjunta e da Educação que desde 2016 conduz a nova política de gratuitidade e reutilização.
O prémio foi criado pelo Governo para “dar um impulso à medida e fazer a reutilização avançar”, disse Alexandra Leitão. Está integrado na campanha Escola Mega Fixe, que além do prémio em dinheiro também vai atribuir um selo para distinguir cem escolas cujas práticas de reutilização sejam exemplos. “Queremos pôr todas as escolas a lutar pela reutilização.
No fim das aulas deste ano, o ministério fará o ranking das 20 escolas que mais reutilizaram — o cálculo é feito a partir do número de manuais que cada escola regista no portal dos manuais, a plataforma Mega, onde são feitas as “encomendas”. No início do ano lectivo 2019/20, cada uma das 20 melhores recebe dez mil euros e tem liberdade para decidir onde investir o dinheiro.
Se este ano cada um dos 811 agrupamentos escolares reutilizar mais dez livros do que no ano passado, são mais 8110 livros reutilizados em Portugal — e menos 8110 livros que o Estado tem de comprar para entregar nas escolas em Setembro. Se cada agrupamento reutilizar mais cem livros, são 81 mil. No ensino básico, no qual os manuais são mais baratos, um livro custa em média oito euros. Multiplicar oito por 81 mil dá 648 mil euros.@ PÚBLICO

quinta-feira, 24 de janeiro de 2019

desafio final dos MiniChef Moutidos

O convite chegou. Não falte! É já amanhã.
cortesia de Ricardo Mazzei

o SPO organizou o dia "nós orientamos, tu decides."







A manhã do dia 22 foi dedicada aos alunos de 12º ano. Com a colaboração do SPO, várias faculdades e departamentos disponibilizaram informação aos nossos alunos pré-universitários sobre o futuro.
Todos os que se inscreveram assistiram a uma dinâmica sessão denominada "acesso ao ensino superior" e, depois, puderam optar por esclarecimentos sobre as diferentes áreas de estudo e também por workshops temáticos. 
É que "nós orientamos, tu decides."


Eis a perspetiva do Diogo Lemos, aluno do 12º D.
Enquanto aluno de 12º ano que presenciou no passado dia 22 várias palestras sobre o ensino superior, posso dizer que a pessoa que entrou pela porta do auditório não foi a mesma que por ela saiu.
Inicialmente, sentia-me perdido, cheio de dúvidas e mudava de ideias constantemente em relação à minha entrada no ensino superior. Porém, ao poder interagir com pessoas conhecedoras e bem informadas sobre este assunto, senti-me muito mais esclarecido sobre o percurso que irei fazer depois do ensino secundário.
No geral, considero que estas palestras são necessárias para nos ajudar a planear a próxima etapa da nossa vida.                                                                                        
 (notícia editada em 25.01.2019)                                                                                                                                                                                                                                                                                                 cortesia de Diogo Lemos
                                                                                                                                                       fotos de Pedro Pinheiro

quarta-feira, 23 de janeiro de 2019

na Maia, mostra de ilustração


11 de janeiro a 17 de fevereiro
Fórum da Maia / Centr'Arte
UIVO 8 – Mostra de Ilustração da Maia
Com curadoria de Cláudia Melo, esta mostra pretende ser um pensamento acerca da ilustração contemporânea. Nesta edição a ideia para a agregação dos vários e diversos autores e obras teve como objetivo a afirmação da ilustração na cultura visual contemporânea onde será imprescindível o questionamento da (não) especificidade deste medium.
Parte-se da vontade de exercer pensamento acerca do que é a ilustração nos nossos dias. Perguntar, ainda, e voltar a perguntar qual é o campo discursivo desta expressão. Quem são os seus atores, quais as suas metodologias, processos de conceção e produção.
Valha-nos a antiguidade do assunto, mas valha-nos igualmente ainda a necessidade das interrogações como: É ilustração? É desenho? Ou pintura?
Apartada da sua intenção e função, de ser entendida como complementar, a ilustração pratica-se hoje, como aliás todas as outras expressões artísticas, de forma híbrida a mover-se em terreno vago. Mas não perde força. Ganha-a. Afirma-se. Impregna-se de camadas e camadas de sentido. Será agora a altura de juntarmos tudo isto numa exposição que nos apresenta peças artísticas, seus autores e suas reflexões. Que nos devolve ilustração da ilustração, mas também da pintura, do design, do graffiti, do desenho, da escrita.
Aberta ao público: de terça a domingo das 09h00 às 22h00
Entrada gratuita