Número total de visualizações de página

sábado, 28 de março de 2020

"Vai ficar tudo bem."

O CRESCER vai fazer a interrupção do final do 2º período. Porém, a direção do jornal não quer interromper, sem deixar uma mensagem de esperança a toda a comunidade educativa.
É imperioso que todos cumpram o seu papel.
É importantíssimo que todos saibam reinventar-se num tempo com muito tempo para estar em casa.
É necessário imaginação. E tranquilidade. E paciência. E amor. Amar, hoje, é saber estar longe.
Para quê? Para que, quando puder ser, nos abracemos, felizes, por nos voltarmos a ver.
Fiquem bem. Fiquem em casa.
Vai ficar tudo bem.
Até breve!
Eduarda Ferreira e Manuela Couto


sexta-feira, 27 de março de 2020

resultados do concurso "Árvore dos Afetos"



Concurso “Árvore dos Afetos”
Resultados

1.º
Português – Ana Sofia, n.º 4, 7.º M
Francês – Catarina Silva, n.º 8, 7.º B
Inglês – Sara Vieira, 7.º I




2.º
Português – Anónimo
Francês  –  Lara Sofia, n.º 9, 8.º F
Inglês – Inês Couto, n.º 15 7º B


3.º
Português – Raquel Meireles, n.º22, 7.º L
Francês  –  Tiago Martins, n.º 21, 9.º F
Inglês – Sara Miranda, n.º 26, 7.º B

                                                                                         
Pensamos que neste momento tão delicado que estamos a passar esta foto representa também a esperança, o amor e a união entre os diferentes povos. O Amor não tem fronteiras... 
Fiquem bem!  

cortesia de Maria do Carmo Barbosa e Maria Anunciação Pereira



quinta-feira, 26 de março de 2020

Covid-19: o que muda com a fase de mitigação

© TVI24
A Direção-Geral da Saúde (DGS) determinou a preparação de todo o sistema de saúde para a fase de mitigação da pandemia de Covid-19 ao abrigo de uma norma que entrou em vigor às 00:00 desta quinta-feira.
António Lacerda Sales, secretário de Estado da Saúde, disse esta quarta-feira que esta é a fase mais crítica e "exige de todos nós responsabilidades acrescidas".
Já Graça Freitas, diretora-geral da Saúde, admitiu que a mudança poderia "ter alguma turbulência".
O que diz a norma?
A norma fixa o modelo de abordagem da pessoa com suspeita de infeção ou com infeção por Covid-19.
O que significa a fase de mitigação?
É a terceira e mais grave fase de resposta à doença Covid-19 e é ativada quando há transmissão local, em ambiente fechado, e/ou transmissão comunitária.
A resposta é focada na atenuação dos efeitos da covid-19 e na diminuição da sua propagação, minimizando nomeadamente a mortalidade associada.
Nesta fase, os doentes ligeiros ficam em casa, os moderados vão ao centro de saúde, os graves, mas não críticos, são encaminhados para os hospitais e os críticos são internados.
O novo coronavírus, responsável pela pandemia da Covid-19, já infetou perto de 450 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 20.000.
Em Portugal, há 43 mortes, mais 10 do que na véspera (+30,3%), e 2.995 infeções confirmadas, segundo o balanço feito esta quarta-feira pela DGS, que regista 633 novos casos em relação a terça-feira (+26,8%).
Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 2 de março, encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até às 23:59 de 2 de abril. @ TVI

quarta-feira, 25 de março de 2020

Coronavírus: 6 dicas da OMS para controlar o stress e a ansiedade

Getty Images
A crise do coronavírus está a gerar stress na população. A constatação é da Organização Mundial da Saúde (OMS), e não é difícil constatar isso na nossa vida.
As pessoas estão preocupadas com a saúde, com os idosos, com os empregos, a vida social, a economia. No entanto, é importante não deixar de fora os cuidados com a saúde mental no meio desta crise.
É difícil ficar imune a essa onda de ansiedade, já que é difícil prever quando é que a rotina vai voltar ao normal. E os efeitos do cenário de incerteza podem ser ainda mais graves para quem já tem condições como a ansiedade e o transtorno obsessivo-compulsivo (TOC).
A BBC News Brasil elaborou uma lista de 6 dicas para controlar o stress durante a pandemia, com base em orientações da OMS e de especialistas.

1. Controle seu acesso a informações sobre o coronavírus

A quantidade e qualidade da informação a que você acede deve ser foco de atenção, segundo a OMS.
É importante controlar a quantidade de tempo que você passa assistindo, lendo ou ouvindo notícias que trazem angústia. Uma sugestão é separar horários específicos do seu dia para fazer isso.
Outro cuidado importante é com as fake news. Informe-se com base em veículos confiáveis de informação e em fontes oficiais, como o site do Ministério da Saúde e da própria OMS.
Tome cuidado com informações falsas que circulam nos grupos de WhatsApp. Você pode ficar preocupado sem motivo, passar a informação e preocupar mais alguém com base em algo que nem é verdade.
Não compartilhe se não tiver certeza de que a notícia é verdadeira.

2. Use as redes sociais como aliadas

No momento em que muitas pessoas estão isoladas ou em quarentena, as redes sociais tornam-se uma forma ainda mais importante de interação com os amigos e a família. E a própria OMS recomenda permanecer conectado por e-mail, redes sociais, videoconferência e telefone.
Por outro lado, também é nas redes sociais que muita gente pode encontrar informação falsa. Procure manter os canais de informação confiáveis e o contacto com as pessoas que lhe fazem bem.

3. Seja solidário

Procure ajudar especialmente a quem precisa de assistência extra, como os idosos. A OMS lembra que ajudar alguém é um benefício para quem recebe e para quem dá essa ajuda.
Uma atitude a que se assiste é a de pessoas mais jovens que oferecem a vizinhos idosos a compra de produtos de mercado.

4. Pare e escute-se 

Durante os períodos de stress, pare e preste atenção nas suas próprias necessidades e sentimentos. É dica da OMS também.
Procure atividades que você goste e que o façam relaxar. Também faça exercícios regularmente (mesmo que adaptados a um novo contexto), mantenha uma rotina de sono e procure alimentar-se de forma saudável. Tudo isso vai colaborar com o seu corpo e com a sua mente.
E não se esqueça que agências de saúde pública e especialistas do mundo inteiro estão procurando soluções para enfrentar essa crise. Ou seja, não adianta se preocupar com o mundo e se esquecer de você.

5. Reconheça o trabalho dos profissionais de saúde

É essencial reconhecer o esforços dos profissionais dessa área, que trabalham dia e noite pela saúde dos pacientes infectados e por soluções para essa crise.

6. Espalhe histórias positivas

A OMS recomenda que as pessoas compartilhem histórias positivas sobre esse tema, como de pessoas que se recuperaram da covid-19 e compartilharam essa experiência.
Não dá para negar que estamos vivendo uma crise sem precedentes na história recente, mas é preciso também ver o que há de positivo em meio a essa situação. Neste artigo, o professor de microbiologia na Universidade de Navarra Ignacio López-Goñi listou 10 boas notícias sobre o coronavírus. Duas delas são: mais de 80% dos infectados têm sintomas leves, e o vírus é facilmente inativado lavando as mãos e limpando superfícies. @ BBC

"faz a tua parte, que eu faço a minha"

Aqui se partilha o vídeo criado pelo Ministério de Educação, que escolheu o youtuber Windoh, para transmitir alguns conselhos aos alunos.

terça-feira, 24 de março de 2020

carta aberta aos meus colegas




Hoje celebra-se o Dia Mundial do Estudante, porém quero muito escrever aos meus colegas para que sintam o meu abraço solidário e para que os alunos, as famílias e demais comunidade saibam apreciar o que se faz no silêncio das nossas almas.

Não é paradoxal. Celebrar o Dia do Estudante num tempo como o de hoje é também, sem dúvida, celebrar os professores. Os estudantes precisam dos seus professores, assim como os professores precisam dos seus alunos e todos uns dos outros. 

Feliz dia para todos!



Caros colegas,
Antes de mais, espero-vos bem, muito bem.
É com alguma emoção que vos escrevo. Queria muito dizer-vos isto: acho que somos extraordinários!
Num tempo tão difícil e inusitado como este, em que lutamos pela sobrevivência de cada um de nós, dos outros e de quem nos é mais querido; num tempo em que somos desafiados a estar longe como melhor forma de amar; num tempo em que a nossa alma está pequenina por assistir a tanto sofrimento, nós, professores, mostramos que somos extraordinários.
Despimo-nos de complexos e de lamentos e, sem medos, vamos ao encontro dos nossos alunos, pelos meios mais inovadores, caindo, tropeçando, reinventando, reerguendo-nos, numa luta contínua por estar perto, estando longe.
É comovedor assistir ao esforço que todos fazem para poderem informar, fazerem recolha de trabalhos, avaliarem, serem justos, equilibrarem critérios, para poderem cumprir, muito para além do que era expectável.
Muitas das vezes, apensas às recomendações de estudo e diretrizes de caminhos, seguem sugestões de comportamentos para os alunos e para as famílias. Muitas vezes, por detrás de cada mensagem de e-mail ou classroom ou Moodle, vai o desejo de um abraço. Muitas vezes, em cada mensagem divertida, para tentar descontrair, segue também um coração apertado. E os professores sorriem (e bem!) com os seus alunos.
Por isso, quanto ao tão receado trabalho à distância, creio que todos temos trabalhado muito e bem. Com os alunos do ensino Regular, sem problemas, enviamos informação, solicitamos trabalhos, sugerimos consultas e avaliamos, mesmo que as aulas não sejam contabilizadas, com o objetivo de nos mantermos ligados e sabendo que esta avaliação de 2º período pode ser decisiva. Já com os alunos do Profissional, certamente todos estamos expectantes. Porém, o nosso sentido de responsabilidade leva-nos a fazer o mesmo. E fazemos. Mesmo sem saber se essas horas vão ser tidas em conta, sendo que até foram apagadas dos nossos horários. E os meninos respondem bem aos pedidos, dizendo "presente" e pedindo mais. Eles, que, curiosamente, tantas vezes aparentam não querer trabalhar, agora escrevem-nos, saudosos, a pedir tarefas. E nós enviamos e orientamos.
Como explicar tudo isto???
Só posso dizer o que me vai na alma: somos extraordinários!
Não sei qual é a vossa opinião, mas que somos extraordinários, somos.
Queria voltar a dizer-vos isto: acho mesmo que somos extraordinários.
Fiquem bem, fiquem em casa.
  
Manuela Couto

Ministro da Educação agradece a professores, famílias e pessoal não docente

O ministro da Educação recorda que só passaram cinco dias desde que foi feita a interrupção das atividades letivas e não letivas presenciais. Tiago Brandão Rodrigues deixa um agradecimento aos professores, pessoal não docente e famílias pela forma como estão a enfrentar a situação. 

Ministro da Educação Tiago Rodrigues
foto de António Cotrim/ LUSA
Em relação ao facto de a interrupção do ano letivo se prolongar até junho, uma hipótese colocada em cima da mesa pelo primeiro-ministro, Tiago Brandão Rodrigues frisa que quem norteia as atividades humanas "são as autoridades de saúde". 
"Não nos podemos esquecer que tudo o que fazemos está norteado pelo conhecimento cientifico e pelo que vai acontecendo no dia a dia.", acrescentou o ministro da Educação em entrevista à RTP. 
Para o governante, "seria completamente irresponsável dar agora indicações relativamente ao que aí vem". 
O ministro da Educação deixou um agradecimento aos professores, pais, alunos e pessoal não docente pelo "seu compromisso, sentido de missão e solidariedade como enfrentaram tudo isto". "As escolas têm estado a trabalhar para se adaptarem às novas condições impostas por este surto". 
Tiago Brandão Rodrigues sublinha que é muito importante terminar o segundo período e atribuir as notas. "O maior desafio das escolas é tentar não deixar ninguém para trás". 
Sobre o facto de existirem muitos professores e alunos sem acesso a um computador ou à internet em casa. O governante afirma que "nada é fácil nesta situação". "Não é fácil para quem está em isolamento social. Nada é fácil para quem tem de enfrentar uma pandemia generalizada de um vírus (...) mas todas as decisões têm de ser tomadas em função de factos objetivos", frisou. 
O ministro sublinha que "no mundo da Educação se procedeu a uma grande transformação num curto espaço de tempo". @ RTP (excertos)

segunda-feira, 23 de março de 2020

tempo de parar

Da responsabilidade do Turismo de Portugal e com legendas "Can´t skip hope".

sexta-feira, 20 de março de 2020

carta do COVID19 para a Humanidade

É bem provável que já conheçam esta "carta", mas nunca é demais rever e refletir.
Tem a curta duração de 3´52´´
Estão em casa. Vejam em família. E pensem na mensagem. 
Lembrem-se: "As palavras não significam nada se não forem recebidas como um eco da vontade de quem as ouve." Agustina Bessa Luís

o que pode (e o que não pode) fazer durante o estado de emergência

A vida mudou. Conheça as novas regras sobre o que se pode e o que não se pode fazer durante o estado de emergência. O PÚBLICO preparou-lhe um guião, que o CRESCER partilha com a comunidade escolar pela sua utilidade.

O Governo explicou esta quinta-feira quais são as regras que vão vigorar durante o estado de emergência, em que Portugal entrou às zero horas desta quinta-feira. As regras arrancam hoje e estão em vigor por 15 dias. Nessa data serão reavaliadas. A pandemia provocada pelo coronavírus levou o Presidente da República a decretar estado de emergência















Estou contaminada com o coronavírus (ou em situação de vigilância activa por decisão da autoridade de saúde). Posso ir à rua?
Não. Durante o estado de emergência fica imposto o isolamento obrigatório para estas pessoas (no hospital ou em casa). 

O que acontecer se não respeitar esta imposição?
Esta violação será considerada um crime de desobediência civil. As autoridades que identificarem alguém nesta situação encaminham a pessoa a casa ou ao hospital. 

Tenho mais de 70 anos e, por isso, faço parte de um grupo de risco em relação à covid-19. Posso sair de casa?
É imposto um dever especial de protecção. Estas pessoas são aconselhadas a ficarem em casa.

Significa que não posso sair mesmo?
Pode. Mas só deve sair em circunstâncias muito excepcionais e estritamente necessárias, como por exemplo para comprar comida ou ir à farmácia.

Tendo o dever especial de protecção, posso ir ao banco ou aos CTT tratar da reforma?
Sim. Essas são das situações consideradas muito excepcionais e estritamente necessárias. Mas há mais situações em que pode sair, apesar de ter mais de 70 anos. O primeiro-ministro explicou que pode ir ao centro de saúde, fazer “pequenos passeios higiénicos nas imediações da residência” ou passear os animais de companhia. Fora destas situações deve permanecer em casa. 

Para a população em geral qual o dever que se aplica? 
Chama-se dever de recolhimento domiciliário. O que significa que deve evitar sair de casa além do necessário.

Posso ir trabalhar?
Sim, embora o teletrabalho seja recomendado a todos os trabalhadores que o possam fazer. 

Há transportes públicos para as minhas deslocações?
Sim, mas a lotação vai ser limitada. Também pode circular em carro próprio e os postos de combustível vão estar a funcionar. 

Posso levar os miúdos à rua para brincar?
Sim. O primeiro-ministro explicou que as pessoas podem sair de casa para “acompanhamento de menores em períodos de recreação ao ar livre de curta duração”. Mas há um conjunto de ideias para os períodos passados em casa.

Partilho a guarda dos meus filhos com o outro progenitor. Posso ir levá-los ou recebê-los tal como faço até agora?
Sim. As normas aprovadas pelo Governo estabelecem que, por razões de assistência à família, se possa ir à rua. 

Posso continuar a ajudar os meus pais?
Sim. A resolução do Governo prevê que por razões de assistência a familiares possa haver saídas à rua. 

Posso levar o cão à rua?
Sim, mas a deslocação tem de ser de curta duração.

Posso ir ao banco?
Sim. Os bancos estão abertos. No entanto, os bancos têm aconselhado os clientes a recorrer aos serviços online, no que for possível. 

Posso ir correr? 
Também pode continuar a fazê-lo, mas têm de ser deslocações de curta duração e sozinho

Posso tratar do cartão do cidadão?As lojas do cidadão vão estar encerradas por concentrarem muitas pessoas e portanto representam um risco maior. Contudo há postos de atendimento aos cidadãos descentralizados. 

Mas o meu cartão perdeu a validade. Consigo revalidá-lo?
Até 30 de Junho, isso não será necessário. O Governo já tinha informado que até essa data será legalmente aceite qualquer documento – carta de condução, cartão do cidadão, certidões, etc. – que tenha caducado após 24 de Fevereiro. Os serviços públicos apenas funcionam por marcação. 

Posso ir dar uma volta de carro?
Se for para passeio, não. As deslocações em carros particulares só podem acontecer quando servem para cumprir um dos fins permitidos para circular na via pública. Ou seja, se for comprar comida pode ir de carro.

Posso ir a um centro comercial?
Os centros comerciais vão estar fechados, excepto os supermercados ou quiosques que façam parte do centro comercial, porque vendem produtos considerados essenciais como comida, bebida, jornais e tabaco.

A padaria, a mercearia e a farmácia estão abertas?
Estas podem manter-se abertas. Há um conjunto de estabelecimentos que, “vendendo bens ou serviços essenciais à vida das pessoas, podem, e eu diria até devem, manter-se abertos”, declarou António Costa. 

Posso ir ao café?
Pode não encontrar um aberto. O Governo recomendou que a restauração feche o atendimento ao público, mas “apelou a que se possa manter em funcionamento”, sem espaços de aglomeração de clientes. 

Posso encomendar comida?
Sim. Os restaurantes estão fechados para o atendimento directo ao público, mas o fornecimento de refeições em regime de take-away é incentivado pelo Governo, bem como para fazer entregas ao domicílio.

Posso sair para ir ao supermercado?
Sim. É permitido sair à rua para comprar bens de alimentação para levar para casa. Estes terão, no entanto, que continuar a respeitar os limites de número de pessoas dentro do estabelecimento e a recorrer a novas formas de venda mais protegidas, como por exemplo, por postigo ou à porta. 

É possível fazer ou ir a funerais?
Sim. Mas há limitações. Serão adoptadas medidas específicas do ponto de vista da organização para que não haja aglomerados de pessoas.

Posso ir à missa?
Estão proibidas as celebrações de cariz religioso e de outros cultos que impliquem uma aglomeração de pessoas. Mas existem soluções online. No site do Patriarcado de Lisboa, por exemplo, encontra horários de missas transmitidas online.

Se não respeitar alguma destas normas o que me acontece?
Neste caso as autoridades farão um tipo de fiscalização pedagógica, explicando as regras a quem não as respeitar. @ PÚBLICO

quinta-feira, 19 de março de 2020

conselhos e sugestões para acompanhar o estudo e aprendizagem interativa

A Rede de Bibliotecas Escolares deixa alguns conselhos para acompanhar o estudo, AQUI.

Sugere  algumas sugestões para organizar o tempo de estudo dos alunos, aqui.

No domínio da APRENDIZAGEM INTERATIVA, deixamos a sugestão de  algumas ferramentas de videoconferência e trabalho em linha recomendadas pela REDE DE BIBLIOTECAS ESCOLARES.

BOM TRABALHO!


                                                                                                                           

Dia do Pai


Dia dos Pais (Brasil) ou Dia do Pai (Portugal) é uma data comemorativa que homenageia anualmente a figura familiar paterna (pai). A data varia de acordo com os países. No Brasil é celebrado no segundo domingo de agosto, em Portugal é no dia 19 de março, nos Estados Unidos e Inglaterra é celebrado no terceiro domingo de junho, nos países ocidentais geralmente coincide com o dia cristão em que se comemora o dia de São José, Pai de Jesus Cristo.
Evoca-se também, como origem dessa data a Babilónia, onde, há mais de 4 mil anos, um jovem chamado Elmesu teria moldado em argila o primeiro cartão. Desejava sorte, saúde e longa vida a seu pai, o rei babilónico Nabucodonosor. @ Wikipedia

quarta-feira, 18 de março de 2020

vai tudo correr bem!

"As palavras não significam nada se não forem recebidas como um eco da vontade de quem as ouve." Agustina Bessa Luís


em tempos de sobrevivência: estudo, informação, exercício, leitura, lazer e riso

Como disse o primeiro-ministro António Costa, lutamos "pela sobrevivência". E, por isso, necessitamos de arranjar estratégias para sobreviver, nesta vida que continua.


Ora vejamos: temos de continuar a estudar, a estar informados, a fazer exercício, a ler, a visitar locais, a rir...

O estudo é apoiado pelos professores, famílias e plataformas. Logo, aproveitem para consultar o e-mail, ler as instruções dos professores e aceder às plataformas, agora gratuitas para todos:

Nestes dias, somos invadidos por notícias ao segundo. Nem sempre credíveis. Então, o CRESCER sugere que filtrem muito bem a informação sobre a pandemia e façam a consulta da evolução do problema aqui, uma vez por dia: 
https://covid19.min-saude.pt/

Sendo que obrigatoriamente se está muito tempo em casa, é importante "mantermos a forma". Vejam estas sugestões de exercício que alguns professores de Educação Física nos enviaram:
https://www.treinoemcasa.com/
https://www.youtube.com/watch?v=MN_Un5vSru8
e a
ula diária orientada por um PT, 30 minutos de duração, iniciativa do Professor José Soares da Faculdade de Desporto da Universidade do Porto - #movetoforget _ Move to Forget  (procurem no Facebook)

Há tanto que ler/ver e visitar de forma virtual. Procurem aqui:
https://www.visitasvirtuais.com/

E, para rir, não falta matéria. Depois de todas as precauções tomadas, podemos só olhar para o espelho e fazer caretas, muitas caretas ao vírus que nos assusta os dias. 😋😆😖😜