Número total de visualizações de página

terça-feira, 4 de fevereiro de 2020

Dia Mundial do Cancro

        O que mais preocupa os especialistas portugueses?

      Por um lado, o cancro é a segunda causa de morte em todo o mundo. Por outro, apresenta uma taxa de sobrevida já superior a 50%. Prevê-se que em 2040 haja cerca de 70 mil novos casos de cancro no país. Neste dia, recordamos quais são as principais preocupações dos especialistas para fazer face a estes números.


      Dia 4 de fevereiro é o Dia Mundial do Cancro e o seu objetivo principal é desmistificar algumas das ideias pré-concebidas sobre o cancro e informar sobre os fatos reais da doença, sensibilizar a população e mobilizá-la na luta contra o cancro.
      Há duas décadas que a doença oncológica é uma preocupação global. A celebração desta data remonta ao ano 2000 e baseia-se na Carta de Paris, aprovada em 4 de fevereiro desse ano, na World Summit Against Cancer for the New Millenium. A Carta apela à aliança entre investigadores, profissionais de saúde, doentes, governos e parceiros da indústria no âmbito da prevenção e do tratamento do cancro.
      Em Portugal, o cancro é também um assunto sério: Segundo dados do Observatório Global de Cancro (Globocan, 2018) em 2018, Portugal registou 58 mil 199 novos casos de cancro, prevendo-se um aumento para 69 mil 565 novos casos em 2040. Já no que se refere à mortalidade por cancro prevê-se um aumento de cerca de 31%, com quase 38 mil mortes em 2040.
      Para além disso, é importante recordar que somos um dos países mais envelhecidos da Europa, sendo que o maior fator de risco para o aparecimento do cancro é, precisamente, o envelhecimento.
   Estes são alguns dos problemas comprovados e prioridades por alcançar, identificados por especialistas e instituições, e que são, em si mesmos, os motivos que justificam a existência deste Dia Mundial do Cancro:
- A incidência de cancro tende a aumentar e todos os anos 9.6 milhões de pessoas continuam a morrer de cancro. Algumas destas mortes seriam evitáveis com maior apoio governamental e financiamento para programas de deteção precoce, prevenção primária e secundária (rastreios) e tratamento.
- Portugal não tem uma comunidade científica com acesso às melhores condições de trabalho. Pensar numa estrutura e estratégia nacional que permita ao investigadores avançarem com o seu trabalho e que facilite a execução de mais ensaios clínicos no país parece ser um dos focos.
- Ainda não existe plena equidade no acesso a meios de diagnóstico, tratamento e cuidados em oncologia. Há desigualdades muito acentuadas.
- Os tempos de espera são demasiado elevados, para diagnóstico, tratamentos e cirurgias.
- Existe uma necessidade em aumentar a literacia em saúde e a compreensão sobre o cancro, reduzindo o medo causado por mitos, visto que 1 em cada 3 cancros podem ser evitados com a redução dos riscos comportamentais. Mais de 50% dos doentes com cancro conseguem curar-se.
- Outra das prioridades apontadas é a de criar instituições de apoio a sobreviventes, sobretudo para aqueles que ficam com sequelas tardias. Pensar de que forma é que estes podem regressar à sua vida normal o antes possível é importante. @ SICnotícias

Sem comentários: