Número total de visualizações de página

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

homenagem a Manuel António Pina


A luz das palavras

Esta exposição documental, no Museu Nacional da Imprensa, inaugurada este domingo, às 16 horas, reflete múltiplas luminosidades. Que atravessam o jornalismo e a literatura. Trata-se de mostrar, ainda a quente, a vida e obra de um jornalista cuja ausência se torna tão presente. Manuel António Pina tinha a luz das palavras.
A relação de MAP com a essência das palavras é, de resto, muito especial. E surge logo nos seus primeiros poemas, em 1971: "o que é feito das palavras senão as palavras?" (verso de Já não é possível, in "O armário").
MAP é o artesão das palavras que ajudam a pensar as coisas, a vida e o próprio pensamento sobre as coisas e a vida que levamos. Poética e ludicamente, filosofa sobre a (des)construção das palavras. Brinca com elas, numa surpreendente produção de sentidos que constitui uma das caraterísticas mais singulares da sua obra.
Se na poesia e na literatura infantojuvenil foi mestre, mais forte e constante se revelou no papel de cronista sem medo. Nesta dimensão, MAP foi um construtor da consciência cívica. Sobre a análise da vida social, política, económica. Sobre a vida da gente. Ele era o arauto que dizia: venham ver como isto é. Estava escondido, é assim, zás trás pás! Sem medos.
A gente lia e entendia. Só raramente era rebuscado, erudito, pouco acessível. A clareza e a frontalidade imperam nos seus textos. Tanto no "Jornal de Notícias" como noutras publicações.
Nas suas crónicas, MAP desemaranhava a realidade para melhor nos mostrar a essência do real. E com a sua certeza das dúvidas, ajudava-nos a pensar o quotidiano da democracia. Neste sentido, é ainda uma chama de lucidez na opinião pública. Um archote, com cintilações de sarcasmo e ironia. A iluminação pública das palavras. 

Sem comentários: