Número total de visualizações de página

sexta-feira, 15 de abril de 2016

as escolhas de...

O CRESCER regressa à rubrica "as escolhas de..." à sexta-feira. 


Hoje, o rosto da escola que damos a conhecer é o do senhor Manuel Neto, funcionário que todos conhecem da portaria, que a todos saúda com o seu amável "Bom dia!".

O CRESCER quis saber as suas origens, qual o seu percurso profissional e os seus passatempos.




Quais as suas origens e qual o significado de família?
Adicionar legenda
Eu sou natural de Lousada, vim para a Maia com dois anos e aqui vivo há cinquenta. Gosto muito de cá estar. Em Lousada tenho familiares maternos com os quais fui perdendo ligação, enquanto na Maia tenho familiares paternos. Considero-me, realmente, um maiato, apesar de não ter nascido aqui. Para mim, a família tem um grande significado. Somos, ao todo, dez irmãos e somos muito amigos. Os meus pais tiveram um grande impacto na minha vida. Deram-me uma educação da qual estou muito grato, ensinaram-me a ser o que sou.


Fale-nos um pouco do seu percurso profissional.
Já ocupei três cargos profissionais diferentes. Trabalhei num escritório durante dezoito anos, mas, entretanto, a empresa fechou e fui para o desemprego. Tive de arranjar outra atividade e fui trabalhar para a metalomecânica, onde estive mais quinze anos, mas a empresa fechou, também, e vim parar aqui. O primeiro emprego marcou-me muito, mas gostei mais de trabalhar na metalomecânica. Era soldador de condutas de gás e água e não trabalhava num sítio certo. Gosto muito de conduzir, principalmente, de noite, e este ofício permitia-me isso. Havia dias em que fazia trezentos quilómetros e outros em que trabalhava vinte e quatro horas. Apesar de gostar do que fazia, estava longe de casa.
Agora, nesta nova oportunidade, gosto muito de trabalhar aqui na escola, caso contrário, não teria concorrido. Agrada-me o convívio com os alunos e os professores. Há aqui alunos espetaculares e, apesar de dizerem que fazem “trinta por uma linha”, nunca tive problemas com eles. Interajo muito com todos e também com os mais pequenos, que até se sentem muito à vontade comigo. Trabalho cá há quatro anos e faço o que me compete com muito prazer. Para além disso, faço muitas coisas: sou picheleiro, serralheiro, carpinteiro, lixeiro e muito mais. A verdade é que, nos dias de hoje, as pessoas têm de ser polivalentes.

E o que gosta de fazer nos seus tempos livres?
Eu caminho muito, cerca de uma hora e meia todos os dias. Costumo caminhar com a minha mulher e, quando a minha filha está, vamos os três. Gosto muito de passear com o resto da família, também. Gosto igualmente de ir à praia, porque me sinto bem ao pé do mar e, tendo uma filha que também adora, ainda melhor. Para além disto, vejo muita televisão, mas só desporto. Gosto de todos os tipos mas, principalmente, de ténis.

Ana Pinto e Rita Almeida


1 comentário:

Vania Gabriela disse...

Gostei muito desta entrevista , adoro este senhor , tem um papel essencial nesta escola , cria otimas ligações com todos nós , eu acho.
Ja tive varias conversas com este senhor , e são um espetaculo !!