Número total de visualizações de página

sexta-feira, 23 de março de 2012

uma visita pelos percursos românticos d’Os Maias

Ontem, 21 de Março, os alunos do 11ºano da Escola Secundária de Águas Santas deslocaram-se a Sintra e Lisboa, para percorrer caminhos românticos d’ Os Maias, descobrindo os lugares que inspiraram Eça na sua obra.
Regaleira
Os alunos mostraram-se entusiasmados com a visita à vila romântica de Sintra ou à também chamada Serra do Sol e da Lua, um lugar mágico que já serviu de residência de Verão à corte portuguesa.
A visita começou pelo percurso feito do centro da vila passando pela Quinta da Regaleira, um dos edifícios mais simbólicos associado a círculos esotéricos, tão característicos do “fin de siècle”, e um local muito apreciado pelos turistas e pelos alunos.
Hotel Lawrence
Em seguida a visita ao Palácio de Seteais, um magnífico hotel de arquitetura do séc. XVIII onde os alunos puderam apreciar a vista para o mar e para a esplêndida Serra de Sintra. Professores e alunos aproveitaram a visita e deliciaram-se com os famosos Travesseiros de Sintra.
Destacaram-se também neste percurso, o Hotel Lawrence, também referido nos episódios dos Maias como o local onde Carlos procurou Maria Eduarda, na sua ida a Sintra.
À partida para Lisboa, fez-se uma paragem em Belém para apreciar os famosos Pasteis de Belém. Chegados a Lisboa, alunos e professores fizeram o caminho que Carlos da Maia costumava percorrer até ao seu escritório. Locais como o antigo Hotel Central ou a estátua de Eça de Queirós foram apreciados e comentados.
O percurso continuou pelo Chiado até ao Rossio, onde se fez uma breve paragem no Largo de S. Domingos,para apreciar a Ginginha.
A visita ficou concluída com o percurso feito através da Rua Augusta, onde se destacaram os diferentes artistas de rua que animam este espaço, até ao Terreiro do Paço.
Segundo a declaração de alguns alunos, este foi um passeio extraordinário onde se salientou o convívio entre alunos e professores, bem como se reconheceu Sintra como um espaço romântico magnífico, ou se presenciaram as evidências da arquitetura do séc. XIX nas fachadas dos prédios lisboetas.

Sem comentários: