Número total de visualizações de página

sexta-feira, 23 de março de 2012

para que conste e nos afague

Já não é novo mas foi pouco divulgado. Este texto, assinado, que circula pela net, serve de alento aos professores portugueses. É um miminho corporativo do CRESCER aos professores da nossa escola.

No meio da crise sócio/económica e do cinzentismo emocional instalado no país há vários meses, eis que o *relatório PISA* trouxe algumas boas evidências para Portugal.

E a melhor de todas, a que considero verdadeiramente paradigmática, foi omitida pela maioria dos órgãos de comunicação social: mais de 90% dos alunos portugueses afirmaram ter uma imagem positiva dos seus professores!

O relatório conclui que "os professores portugueses são os que têm a imagem mais positiva de entre os docentes dos 33 países da OCDE", tendo em 2006 aumentado 10 pontos percentuais.

O mesmo relatório conclui que os professores portugueses "estão sempre disponíveis para as ajudas extras aos alunos e que mantêm com eles um excelente relacionamento."
Estas evidências são altamente abonatórias para os professores portugueses e deveriam ter sido amplamente divulgadas pelos órgãos de comunicação social que "ostensivamente consideram os professores do ensino básico e secundário uma classe pouco profissional", com imensos privilégios e luxuosas remunerações...

Uma classe profissional que deveria ser acarinhada e apoiada por todos, que deveria ter direito às melhores condições de trabalho (salas de aula, equipamento, formação, etc.) e que tem sido maltratada pelo poder político e por todos aqueles que tinham o dever de estar suficientemente informados para poder produzir uma opinião isenta para os demais membros da comunidade.

Ao conjunto destas evidências acresce outra, onde o papel do professor é determinante: a inclusão.

O relatório revela-nos que "Portugal é o sexto pais da OCDE cujo sistema educativo melhor compensa as assimetrias sócio/económicas!"

E ainda refere que "o nosso país tem a maior percentagem de alunos carenciados com excelentes níveis de desempenho em leitura".

Nada acontece por acaso! Os professores portugueses são excelentes profissionais, pessoas que se dedicam de corpo e alma aos seus alunos, "mesmo quando são vilipendiados e ofendidos por membros de classes profissionais tão corporativistas (ou mais!) que a dos professores"!

Como diz a quase totalidade dos alunos, os professores são excelentes pessoas que estão sempre disponíveis para ajudar os seus alunos. Esta é que é a realidade dos professores das escolas do ensino básico e secundário! Obviamente que, "como em todas as demais classes profissionais, haverá exceções à regra, aqueles que não cumprem, não assumem as suas responsabilidades, não justificam o ordenado que recebem." Mas, assim como uma andorinha não faz a primavera, também uma ovelha negra não estraga um rebanho.
Pergunto: porque se escondem os arautos da desgraça, detentores da verdade absoluta, que estão sempre na linha da frente para achincalhar os professores do ensino básico e secundário? " Estranha-se o silêncio".

Margarida Rufino, Jornal de Cascais, 9 de janeiro de 2011

Sem comentários: