Número total de visualizações de página

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

projeto "Geoatualidades de cá e de lá"

Este protejo, dinamizado pelos docentes de Geografia, consiste numa recolha feita pelos alunos de noticias relacionadas com o programa de 10º e  de 11º ano de Geografia e de Geografia A. O projeto consiste na recolha de noticias da imprensa diária em suporte papel e algumas em suporte informático.
A notícia que chegou ao CRESCER é sobre a longevidade humana. Vejam só.
daqui

Cientistas acreditam que no futuro muitos viverão até aos 125 anos

Dois geneticistas mostraram-se hoje confiantes que no futuro, mesmo longínquo, muitos seres humanos podem viver até aos 125 anos, mas é obrigatório adotar um estilo de vida saudável.

Em contrapartida, Sumit Jamuar e Gabriel Otte acham que a longo prazo é possível vivermos bem mais de 100 anos com a ajuda da tecnologia aplicada à saúde e com a mudança de hábitos de vida.
"Quem tem agora 50 anos e for saudável e praticar um estilo de vida saudável tem 50% de possibilidades de chegar aos 90 anos, mas a tendência é para aumentar a longevidade", disse Jamuar, do Instituto Indiano de Tecnologia de Deli.
O "segredo" da longevidade, segundo os especialistas, está na genética, mas também em cuidar do corpo diariamente, adotar um estilo de vida saudável, ter uma ação proativa, em suma, "fazermos um pacto de não agressão ao organismo", banindo "venenos como açúcar, gorduras, hidratos de carbono" e praticando exercício física desde a infância.
Recentemente, uma equipa de cientistas analisou dados demográficos de 40 países e sugere que há um limite máximo natural para a vida humana, fixado em cerca de 125 anos.
Os cientistas da faculdade de Medicina Albert Einstein, em Nova Iorque, fixam o limite médio da vida humana nos 115 anos.
"Para atingir a longevidade é importantíssimo o estudo da genética humana e a tecnologia tem permitido enormes avanços nos últimos anos. Porém, ainda há muito a fazer. Temos uma base de dados de três milhões de amostras de ADN e há sete mil milhões de pessoas", explicou Otte.
"O estudo da genética associado às novas tecnologias está a revolucionar a vida humana e fizeram-me imensos progressos nos últimos anos", sustentou Jamuar, acrescentando que a adoção de estilos de vida saudáveis permitirá um planeta saudável, funcionando como um "ciclo virtuoso".
No painel seguinte da Web summit dedicado à saúde, a questão abordada foi se alguma vez será possível abolir as doenças do mundo, um tema defendido pelo biólogo Pierre Meulien, diretor executivo da Innovative Medicines Initiative (IMI), e a norte-americana Lynne Davidson da Head of Innovation & Improvement.
Muelien foi perentório: "É uma utopia, absolutamente impossível viver num mundo sem doenças", enquanto Davidson considerou que já foram feitos tantos progressos, por exemplo no combate ao VIH e na Malária, que isso pode perfeitamente acontecer no futuro.
Muelien, que disse ser "completamente a favor da vacinação", defendeu que por muitos progressos que se façam nas diversas áreas da medicina, curativa ou preventiva, os vírus encontram-se sempre formas de sofreram uma mutação e provocar doenças.
Apesar de defenderam pontos de vista diferentes, ambos os intervenientes concordam que a tecnologia e mesmo a inteligência artificial são importantes ferramentas para a evolução da medicina e do estudo da genética.
"Notícias ao minuto",  9\11\2017

Sem comentários: