Número total de visualizações de página

terça-feira, 30 de julho de 2013

texto de autor: quem vem jantar a casa?


O que se está a passar, neste preciso momento, nas escolas portuguesas é o seguinte: a 31 de julho, quarta-feira, devem ser publicadas as turmas (provisórias); logo de seguida, comunicado o número de professores necessários em função das necessidades. Agosto. Concurso de professores para lá, concursos de professores para cá, fazer horários… em setembro tem de estar tudo pronto para o arranque. Está sempre tudo pronto para o arranque, as escolas fazem por isso. O Ministério não. E este ano aprimorou-se: a 26 de julho, sexta-feira, fim da tarde, indicou o número de turmas/cursos que autoriza sejam abertos em cada escola. Não, não são as escolas que decidem, em função do número de matrículas vs espaço. E, convém frisar, em junho, há as chamadas reuniões de rede escolar, em que as escolas se sentam à mesa com a tutela e se discute esta organização/distribuição.
Mas, nesta sexta-feira dia 26, quando muitas escolas já tinham as turmas praticamente feitas, quando publicitaram as suas ofertas formativas, quando contactaram pais e alunos para regularizarem este ou aquele pormenor ou para lhes indicar que aquele curso/disciplina não iria existir na escola, informando das alternativas, enfim, quando tinham esse trabalho praticamente feito, o Ministério, através de um dos seus organismos, publicou a lista de cursos/turmas autorizados(as) para cada escola/agrupamento e lançou o caos: mudou as ofertas dos cursos profissionais, reduziu o número de turmas em várias escolas, eliminou turmas CEF com alunos inscritos, enfim, queimou o jantar pouco antes de ser posto à mesa. E fez algo mais fantástico, fê-lo em cima do acontecimento. Imagine-se o leitor em sua casa e dizem-lhe para convidar vinte pessoas para jantar: a comida será da responsabilidade de uma empresa de confiança. Manda convites atempadamente, publicita o evento convenientemente, prepara a sala com cuidado, prepara a mesa, recebe os convidados… e depois trazem-lhe duas coxas de frango para o jantar.
É assim que o Ministério tratou as escolas, as direções, os alunos. São inúmeros os casos relatados em inúmeras escolas, que se começam agora a conhecer: em várias escolas, o número de turmas autorizadas está abaixo das necessárias para o número REAL de alunos matriculados (que se faz aos restantes?); há cursos profissionais com anos de existência numa localidade, com vinte e muitos alunos inscritos, que são apagados e substituídos por outros cursos que nem sequer tinham sido discutidos, menos ainda comunicados ao público, há alunos que deveriam seguir um curso de educação formação e terão de ficar no ensino regular… e quem é que vai passar por incompetente? Quem é que vai ter que dar a cara para dar o dito por não dito? Quem vê todo o seu trabalho, um trabalho sério que merece respeito, deitado ao lixo? A três dias úteis do fim de julho?...
E é nestas condições que se trabalha nas escolas. Surpreendentemente (ou nem tanto assim, quando o interesse do poder é esse) a maioria dos portugueses desconhece esta realidade. Apesar de, direta ou indiretamente, ser parte interessada : quem não tem familiares nas escolas? ou vai ter? já para não falar do tão propalado "interesse nacional" da Educação... A maioria dos portugueses ouve o discurso dos políticos na TV, sérios e convictos, e cria uma imagem. Nuno Crato, por exemplo. Tão credível... Possivelmente, até acredita nele quando ouve coisas como "liberdade de escolha" e "mérito" e “superior interesse dos alunos” e “estamos a trabalhar para”. Pois é este o tipo de trabalho que estão a fazer: em cima do joelho, passando por cima do trabalho feito nas escolas e do “superior interesse dos alunos”, que só interessa para enfeitar discursos “politicamente corretos”. Para quem conhece a realidade, para quem vive a e na escola, este tipo de discurso é de um cinismo, de uma falta de ética, de verdade, de seriedade que enoja!

E isto será, mais uma vez, e à semelhança de tantas e tantas outras ocorrências, com este e com os outros governos dos últimos anos, um episódio. E este episódio faz tão pouco sentido que não pode dar em nada. As turmas terão de abrir, de acordo com o número REAL de alunos que existe no nosso país, nas respetivas localidades. Mas é o suficiente para, em finais de julho, com tanto para fazer para que tudo arranque em setembro, causar mais desgaste, mais confusão. Para, MAIS UMA VEZ, aparecerem as parangonas nos jornais e televisões e as pessoas pensarem... "lá estão os professores a queixar-se outra vez!!!". Pois, já alguma vez pensaram que os professores PODEM ATÉ TER RAZÃO?!?!?

Que bem estaríamos todos se, em todos os anos, há anos, não fosse este circo anual em que tudo muda! 

Fátima Inácio Gomes, em 29.07.13

sexta-feira, 26 de julho de 2013

bom fim de semana!

Fiquem com esta música de Márcia, "A pele que há em mim", aqui acompanhada por JP Simões. A letra deve ser apreciada!


Quando o dia entardeceu
E o teu corpo tocou
Num recanto do meu
Uma dança acordou
E o sol apareceu
De gigante ficou
Num instante apagou
O sereno do céu
E a calma a aguardar lugar em mim
O desejo a contar segundo o fim.
Foi num ar que te deu
E o teu canto mudou
E o teu corpo no meu
Uma trança arrancou
E o sangue arrefeceu
E o meu pé aterrou
Minha voz sussurrou
O meu sonho morreu
Dá-me o mar, o meu rio, minha calçada.
Dá-me o quarto vazio da minha casa
Vou deixar-te no fio da tua fala.
Sobre a pele que há em mim
Tu não sabes nada.
Quando o amor se acabou
E o meu corpo esqueceu
O caminho onde andou
Nos recantos do teu
E o luar se apagou
E a noite emudeceu
O frio fundo do céu
Foi descendo e ficou.
Mas a mágoa não mora mais em mim
Já passou, desgastei
Para lá do fim
É preciso partir
É o preço do amor
Para voltar a viver
Já nem sinto o sabor
A suor e pavor
Do teu colo a ferver
Do teu sangue de flor
Já não quero saber.
Dá-me o mar, o meu rio, a minha estrada.
O meu barco vazio na madrugada
Vou deixar-te no frio da tua fala.
Na vertigem da voz
Quando enfim se cala.

segunda-feira, 22 de julho de 2013

só três professores conseguiram vínculo ao ministério

Dos mais de 45 mil docentes candidatos a um lugar nos quadros do Ministério da Educação, apenas três conseguiram vincular: dois de Espanhol e um de Educação Moral e Religiosa.
Para os restantes 45.428 candidatos - o universo varia entre quem nunca deu aulas e os que acumulam mais de 10 anos de contratos - resta agora a segunda etapa do concurso para tentar conseguirem um contrato. Mas essa hipótese só estará ao alcance de uma minoria. @ Expresso

texto de autor: a crise segue dentro de momentos

É preciso um compromisso nacional para salvar o Presidente da República
O Presidente jogou forte e perdeu. É provável que se tenha tornado irrelevante. Cavaco Silva fez o discurso que poderia ter feito há dez dias, quando anunciou que havia um Governo de gestão e obrigou os partidos a negociarem um acordo que falhou.
Há dez dias, o Presidente podia ter dito que o Governo tinha perdido as condições de legitimidade para continuar e marcar eleições antecipadas. Ou então aceitava a remodelação proposta pelo executivo, mas anunciava que ia estar vigilante. 
Mas preferiu o golpe de teatro. Agora recuou por completo
E, apesar do aviso que deixou no final, o Presidente corre o risco de se tornar irrelevante.
Cavaco tentou salvar os restos mortais do acordo afirmando que para o futuro ficou uma semente: a cultura de diálogo. Não é verdade. Nenhum dos partidos queria o acordo e todos tinham razões para não respeitarem a vontade do Presidente. 
Não houve e não há consenso porque os partidos querem coisas diferentes. Para haver um consenso, era preciso que existissem condições para harmonizar as posições de todos. 
Não existem. Deixaram de existir. Está errado o Presidente quando diz que estavam reunidas as condições propícias para um acordo. Talvez tenha razão ao afirmar que um dia a realidade o pode vir a impor. 
Cavaco reconduziu um governo que abriu uma crise política que penalizou gravemente o país e as instituições e cujos líderes não confiam um no outro.
A emergência nacional que justificou há dez dias o apelo desesperado de Cavaco Silva parece ter desaparecido como que por milagre. 
O apelo ao acordo significava que o governo já não era capaz; agora, Cavaco tem de readmitir em plenitude de funções um governo que ele próprio colocou em gestão. 
A crise segue dentro de momentos. Pior do que antes do patético apelo do Presidente. Com os partidos mais distantes uns dos outros e mais radicalizados do que antes das negociações falhadas. 
Cavaco sabe que não voltará a ser escutado da mesma maneira até ao final do seu mandato. Mesmo que tenha deixado no ar, de forma suave, a ameaça da bomba atómica.
Cavaco sabe que a maioria não ouvirá as recomendações que o Presidente deixou. 
O Presidente jogou forte e perdeu. É provável que se tenha tornado irrelevante.
É preciso um compromisso nacional para salvar o Presidente da República.

sexta-feira, 19 de julho de 2013

a Ciência por quem a faz e por quem a ensina (III)




O Centro de Formação maiatrofa vai, mais uma vez, organizar um encontro (o 3º) de cientistas e professores de ciências.

Este ano o encontro vai ocorrer no dia 6 de setembro de 2013, na Escola Secundária de Águas Santas.

Podem encontrar o programa e ligação para efetuar a inscrição a partir do seguinte endereço: www.cfaemaiatrofa.org/encontro2013.

Divulguem este evento por outros professores de ciências que possam estar interessados em participar neste encontro.

As inscrições decorrem até ao dia 26 de julho (nos anos anteriores os lugares disponíveis esgotaram antes do prazo final para a inscrição).

fomos a votos

Pelas 9h da manhã do dia de hoje, reuniram todos os docentes dos vários departamentos do agrupamento, em assembleias, com um único objetivo: eleição de cada um dos coordenadores dos vários departamentos.

E assim aconteceu. Os coordenadores de departamento para o próximo quadriénio são:
Departamento das Expressões - António Portela (docente de Educação Física)
Departamento das Ciências Humanas e Sociais - Isabel Gomes (docente de História)
Departamento da Matemática e das Ciências Experimentais - Teresa Carneiro (docente de Físico-Química)
Departamento de Línguas - Helena Borges (docente de Português e Francês)
Pré-Escolar – Isilda Amorim
1º Ciclo – Maria José Conceição

O CRESCER deseja as maiores felicidades aos colegas eleitos.

quinta-feira, 18 de julho de 2013

Mandela em “recuperação” no dia do 95º aniversário

Centenas de pessoas desejaram, esta manhã, um feliz aniversário a Nelson Mandela, às portas do hospital de Pretória onde o ex-presidente sul-africano se encontra internado desde o dia 8 de junho.
No dia em que cumpre 95 anos de idade, as autoridades sul-africanas afirmam que o nobel da paz se encontra a recuperar de uma grave infeção pulmonar.
Apesar da incerteza sobre o seu estado de saúde, ou por causa dela, milhares de pessoas celebram ao longo do país o legado do combatente anti-apartheid.

“É um verdadeiro pioneiro, um combatente e agradeço-lhe por tudo o que fez por este país”, afirma uma residente de
Pretória.

“É uma fonte de inspiração para muitos sul-africanos, em especial quando vemos os sobressaltos que teve que enfrentar na vida e a forma como conseguiu sempre ultrapassá-los mantendo sempre a compaixão, é algo exemplar e espero que recupere rapidamente”, afirma outro residente.
O dia de hoje, declarado dia de Mandela pela ONU desde 2010, é a ocasião para os sul-africanos se dedicarem a ações caritativas. A maioria dos cidadãos realiza sessenta e sete minutos de trabalho voluntário em honra dos 67 anos de luta contra o apartheid. O presidente Jacob Zuma assinala a data com a tradicional entrega de várias casas a famílias mais carenciadas, tanto brancas como negras, em nome da reconciliação entre as raças defendida por Mandela. @ Euronews

quarta-feira, 17 de julho de 2013

menos vagas e menos candidatos ao Ensino Superior

do Notícias UP

Este ano há menos vagas e menos candidatos ao Ensino Superior. Ao todo, há menos 837 vagas do que no ano passado. As inscrições para a primeira fase de candidatura de acesso começam esta quarta-feira.

Até dia 9 de agosto as inscrições da primeira fase para os cursos disponibilizados pelas universidades e institutos politécnicos podem ser feitas através da plataforma da Direção-Geral do Ensino Superior emhttp://www.dges.mctes.pt/. Os resultados são conhecidos a 9 de setembro. @ RTP

"um Porto de contos"

«Um Porto de contos» é o nome da iniciativa que vai decorrer de 26 a 28 de julho, no Ateneu Comercial, e que irá tentar conjugar várias linguagens artísticas com a ancestral arte de contar histórias.


No centro da iniciativa, de entrada gratuita, estão os contos que poderão ser ouvidos em várias salas, mas haverá simultaneamente exposições de arte, a feira «Porto das Letras, Artes e Palavras», exposições fotográficas, visitas guiadas, artes plásticas, tertúlias, apresentação de livros, sessões de autógrafos, música e os« Contos Vadios».

A organização é da brasileira Clara Haddad e da sua Escola de Narração Itinerante, que escolheu a cidade do Porto para residir e que agora quer «abrir a outros públicos» a arte da narração oral. Diário Digital / Lusa 

segunda-feira, 15 de julho de 2013

dançar para o Banco de Leite

Projecto já alimenta três mil crianças. Agora, é preciso juntar dinheiro para reconstruir o orfanato.
Quem está pelo Norte do país tem por estes dias oportunidade para ajudar o banco de leite em São Tomé e Príncipe. O grupo “Alma Mater Artis” vai actuar Domingo, no Fórum da Maia, dia 10 em Vila do Conde, dia 16 em Famalicão e dia 20 em Valongo.
Mam'África é o nome deste espectáculo solidário itinerante, um espectáculo de dança assegurado por um grupo da escola de Águas Santas.
“É um grupo de artistas fabuloso, são 120 jovens e crianças neste projecto chamado ‘Alma Mater Artis’, que a partir da dança e com a dança são capazes e estão a marcar a diferença”, explica um dos dinamizadores do projecto, Frei Fernando Ventura.
“Nós não podemos tirar a fome do mundo mas podemos tirar alguém do mundo da fome e fazemo-lo com os meios que temos. Não temos dinheiro, temos imaginação e fazemos o que sabemos fazer que é dançar”, acrescenta.
As receitas revertem para o banco de leite, em São Tomé e Príncipe, que já assegura alimentação a três mil crianças. Um projecto criado pela Igreja católica e que está a ser gerido pela Cáritas local.
Frei Fernando Ventura agradece a generosidade das várias empresas portuguesas e dos muitos anónimos que têm permitido enviar leite e farinhas lácteas com regularidade. O principal objectivo agora é juntar dinheiro para reconstruir o orfanato.
“Estamos a apontar para um pouco abaixo de um milhão de euros para se conseguir fazer o que é necessário, reabilitar todo o edifício e continuar a funcionar o centro da Cáritas no mesmo Complexo””, explica.
Além deste projecto, Frei Fernando Ventura conta também que, a partir de Setembro, médicos dentistas voluntários vão abrir um consultório em S. Tomé.
“Uma ONG do Porto, a Mundo a Sorrir, composta por jovens dentistas, vão estar no território para montar um consultório médico dentário onde as pessoas serão atendidas gratuitamente. Vamos ter jovens médicos dentistas voluntários a exemplo do que já fazem em Cabo Verde, na Guiné Bissau e no Hospital Conde Ferreira, no Porto”, remata.
Por cá os bens e donativos podem continuar a ser entregues nos colégios ligados aos missionários claretianos - o lar juvenil dos Carvalhos, no Porto, e o Colégio Pio XII, em Lisboa. @ RR

alunos dos cursos EFA recebem diplomas

momento de celebração no auditório
No dia 11 de julho decorreu no Auditório da nossa Escola, a cerimónia de entrega dos Diplomas e Certificados de Qualificação a meia centena de formandos que concluíram com sucesso o curso de educação e formação de adultos de nível secundário (certificação escolar). 
A Direção Pedagógica, a equipa formativa, bem como o Diretor, Manuel Carneiro Ferreira, estiveram presentes neste momento de celebração para testemunharem este sucesso académico que reflete o esforço, empenho, motivação e dedicação dos laureados.
Ao longo da cerimónia registaram-se intervenções dos formandos, que enalteceram a qualidade da formação, assim como o empenho e a dedicação da equipa pedagógica. Manuel Carneiro Ferreira depois de felicitar os formandos e formadores, deu ênfase ao trabalho muito positivo, que o Agrupamento desenvolveu no âmbito da Educação de Adultos, ao longo dos últimos 7 anos.
No final da cerimónia foi servido um Porto de Honra.

um país em erupção

erupção (real) na Islândia
Interrompemos a publicação por uma semana. Deixamos o país com uma temperatura elevada e voltamos com o país "em erupção".

Vejamos: 

. Temos governo? Quem é quem? 

. Saíram os resultados dos exames nacionais de 1ª fase. E qual é o balanço?

. Vem aí a 2ª fase de exames. Consulte o calendário das provas e de acesso ao superior.

. Os alunos de 12º ano debatem-se com as opções a fazer para o seu futuro, agora que os resultados lhes baralharam as expectativas. Conheçam aqui as vagas e as médias.

Está, ou não, o país "em erupção"?

quarta-feira, 3 de julho de 2013

o CRESCER entra em modo de descanso

O CRESCER entra em "modo de descanso" até dia 16, preparando-se para a 2ª fase dos exames nacionais.
Até lá, deixa os seus leitores com esta "Rosa". Até já!

alteração de calendário de afixação de resultados

"O ministério antecipou em um dia a afixação das pautas dos exames de Português e Português Língua Não Materna realizados hoje, ainda dentro da primeira fase, depois de a greve dos professores de 17 de junho ter impossibilitado que todos os alunos fizessem o exame nesse dia. 

Assim, ao antecipar a afixação das notas destes exames de 12 (sexta-feira) para 11 de julho (quinta-feira), o Governo dá mais um dia aos alunos para que se possam inscrever nos exames de 2ª fase, cujo prazo decorre de 11 a 15 de julho, o que daria, a manter-se o calendário anterior, apenas um dia para que os estudantes pudessem efetuar a inscrição. 

No despacho do Secretário de Estado do Ensino Básico e Secundário, João Grancho, hoje publicado, o Governo altera ainda as datas para a realização das provas de equivalência à frequência. No ensino básico a 1ª fase destes exames decorre até 12 de julho. Já no ensino secundário a 1ª fase termina a 11 de julho e a 2ª fase decorre até ao dia 25 de julho. 

A afixação das notas nas provas de equivalência à frequência do ensino secundário realizadas em 1ª fase deve acontecer até 15 de julho e os estudantes têm dois dias úteis a seguir ao dia da publicação das pautas para se inscreverem na 2ª fase dos exames".

e agora?

Gaspar, Coelho e Portas
"Não me demito! Não abandono o meu país!" Se revela determinação, a garantia de Passos Coelho não oculta um repto ao CDS: que esclareça se se mantém na coligação governamental após a demissão de Portas. Esta quarta-feira saem os outros ministros centristas.
Não há cheques em branco. É este o sentimento que existe nas cúpulas das principais instituições da troika, no Eurogrupo. Estamos mais próximos da Grécia e de um segundo resgate.
O próprio Paulo Portas disse em abril passado que a queda do Governo levaria a um segundo resgate. É esta opinião, agora generalizada, que o economista João Duque explica ao JN/Dinheiro Vivo. "Estou à espera de uma reação dos mercados já amanhã de manhã (esta quarta-feira)", diz o presidente do ISEG .
"Temos que ver a solução: ou o Governo desfaz-se ou sai uma solução dentro do atual Parlamento", explica.
Contudo, o economista considera que Portugal deu o próximo passo para novo resgate: "Assim empurramos definitivamente, e sem dúvidas, um novo pacote de apoios, que eu já não tinha dúvidas de que ia acontecer. O programa de ajustamento pode vir a prolongar-se".
E de facto, esta crise governamental torna Portugal "mais parecido" com a Grécia, coloca-o mais próximo de um segundo programa de austeridade e, no curto prazo, põe em xeque o resto do programa de empréstimos da troika: ainda falta receber 13,4 mil milhões de euros. @ JN

E agora? Agora...
daqui

terça-feira, 2 de julho de 2013

provas e critérios (de 26 de junho)

26 de junho
Matemática - 62 - Caderno 1  - Caderno 2  - Critérios  - Critérios adaptados 
Matemática - 92 - Prova  - Critérios  - Critérios adaptados 
Desenho A - 706 - Prova  - Critérios 
Alemão - 501 - Prova  - Critérios 
Espanhol - 547 - Prova  - Critérios  - Critérios adaptados 
Francês - 517 - Prova  - Critérios 
Inglês - 550 - Prova  - Critérios 

a prova 2 da fase 1


As provas nacionais de Português voltam, esta terça-feira, a encher as salas de aula, com os alunos do básico a iniciar a 2.º fase e os do secundário a repetir o exame que não fizeram devido à greve de professores.
Os exames e as provas finais valem 30 por cento na nota final do aluno.
A primeira fase é obrigatória desde o ano passado, ficando uma segunda fase reservada apenas para situações excecionais. 

Post a atualizar com provas e critérios.

Aqui estão:
2 de julho Português – 639 – Prova V1 – Prova V2 – Critérios Português Língua Não Materna – 63 | 93 – Prova – Critérios Português Língua Não Materna – 64 | 94 | 839 – Prova – Critérios Português – 61 – Prova – Critérios Português – 91 – Prova – Critérios 

a saída de Portas

Paulo Portas
O ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Paulo Portas, apresentou o pedido de demissão ao primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho.

O CDS não gostou da escolha de Maria Luís Albuquerque para ministra das Finanças, de acordo com uma fonte do CDS ouvida pela TSF.
O CDS não gostou da opção de Passos Coelho pela continuidade das políticas.
Num comunicado enviado à Agência Lusa, o ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros garante que a decisão «é irrevogável».

a saída de Gaspar

A saída de Vítor Gaspar chegou rapidamente às colunas dos principais órgãos de informação estrangeiros, com as edições online a noticiarem a "surpresa" que constituiu a demissão do ministro das Finanças.
Apelidando-o de "o arquiteto do plano de recuperação financeira", o "The Telegraph" lembra que Vítor Gaspar era desde há muito considerado pelos portugueses o "culpado pela severa austeridade" imposta ao país, sendo regularmente criticado pelo próprio partido parceiro de coligação.
Já o espanhol "El Pais" cita a carta do ex-ministro, sublinhamdo queVítor Gaspar já pedira para deixar o Governo em duas ocasiões diferentes - em outubro de 2012 e em abril passado, após o chumbo do Tribunal Constitucional. @ Expresso

segunda-feira, 1 de julho de 2013

projeto Mam'Africa

O projeto "Mam'Africa" pretende dar a conhecer várias vertentes artísticas desenvolvidas no Agrupamento que se vão manifestar através de espetáculos artísticos produzidos, na íntegra, por alunos desta escola ao longo do mês de julho.
Outra vertente expositiva desta dinâmica é desenvolvida através de uma exposição online (telas pintadas pelos alunos de artes que se encontram na cantina da escola) onde é permitido às pessoas licitarem os trabalhos.
Vá até lá. Aprecie. Interaja. Licite. Projeto Mam'Africa: licitação de quadros

O somatório destas licitações (que já tem neste momento o valor total de 403,00€ para 13 dos trabalhos), bem como o resultado dos donativos angariados com os bilhetes para assistir aos espetáculos, reverterá para a causa solidária "Banco de Leite para S.Tomé e Príncipe" personificada na figura do Frei Fernando Ventura.

Veja o vídeo. Orgulhe-se da sua escola.

texto de autor: o balanço do desacordo

Chegou até ao email do Crescer mais um texto de um leitor. Está identificado como o seu autor sugeriu. Aqui segue "O balanço do desacordo". Muito obrigado pela partilha.

O balanço do desacordo

Não vou investir tempo a apresentar números de adesão à greve geral. Não me parece sequer relevante.
Parece-me relevante o descontentamento geral sentido pelos cidadãos portugueses: dos que fazem greve, dos que não fazem porque não têm trabalho, dos que não fazem porque têm receio de perder o emprego precário, dos que não fazem porque lhes faz falta o dinheiro no final do mês, dos que não fazem porque nunca fazem, dos que fazem sempre, dos que trabalham, dos que empregam, dos aposentados, dos que nunca tiveram emprego...
Parece-me relevante que o nosso P.M. diga que não governa para os sindicatos nem para as associações empresariais. Efetivamente, não governa para esses nem para ninguém. Está de costas voltadas para o país.  Tem muito respeito pela greve mas tem ainda mais respeito por quem trabalha, diz. 
Parece-me relevante que se registe o dito por não dito: diz-se que a taxa de recessão vai abrandar com todos os sacrifícios, mas afinal o défice é cada vez maior; diz-se que baixará a taxa de desemprego, mas afinal ele cresce a olhos vistos; diz-se que os cidadãos portugueses (sacrossantos) não serão chamados a pagar a falência dos bancos, mas afinal vão pagar os que tenham contas superiores a cem mil euros; diz-se que se irá premiar o mérito dos jovens, mas afinal são convidados a emigrar; diz-se que os idosos serão uma preocupação prioritária, mas afinal baixam-se as legítimas reformas e taxam-se com mais impostos...
No dia seguinte a mais uma greve geral em que as duas principais centrais sindicais se uniram, os números da adesão são irrelevantes. Relevante é o consenso do desacordo.
Não gosto mesmo nada daquele discurso miserabilista do "graças a Deus que tenho emprego!" ou "ainda há quem esteja pior!" ou "tenho medo do que possam fazer!". Não consola, só agride. Quanto mais o dizemos, mais pequenos ficamos. Quanto mais nos obrigam a pensá-lo, mais pequenos nos querem fazer.
Em tempo de dia seguinte, o balanço relevante é o cartão vermelho apresentado ao Governo (ou será à Europa, à Troika e ao FMI?). O balanço relevante não precisa de estatísticas. O balanço resume-se a um redondo vocábulo: "Basta!"
Mariazinha