Número total de visualizações de página

domingo, 31 de outubro de 2010

o António

O António deixa-me sempre assim: arrebatada.

Umas vezes, emocionada e animada. Outras vezes, emocionada e frustrada.

Não consigo deixar de o ler. A custo ou não, procuro o fascínio que a sua escrita me proporciona.

O António sempre me causou esta sensação paradoxal: ou me emociona e arrebata positivamente, ou me emociona e deixa-me angustiada.

Se repararem bem no que escrevi, lê-lo emociona-me sempre. E ouvi-lo, também.

Aqui vos deixo uma entrevista, dada ao Mário Crespo, na passada sexta-feira.

Arrebatam-se ou angustiem-se, mas não deixem de ficar emocionados.

2 comentários:

the girl in the other room disse...

Mais uma entrevista densa. Aliás, são sempre marcantes e intensas. Como ele. E como o que ele escreve.

mc disse...

Verdade absoluta!