Número total de visualizações de página

terça-feira, 11 de dezembro de 2018

os melhores alunos não querem ser professores!

Em Portugal, são os piores alunos que querem ser professores, ao contrário do que acontece na Finlândia, por exemplo. O que é que podemos fazer para mudar isto? Ensaio de Alexandre Homem Cristo.

     Ser professor é moldar o futuro, formar cidadãos, inspirar jovens a serem adultos que fazem a diferença pela positiva. Haverá quem veja nesta formulação um certo romantismo. Mas não vale a pena resistir: há profissões que são realmente diferentes e que, pelo impacto que provocam nas vidas dos outros, contêm uma certa grandeza intrínseca. Professor é uma dessas profissões. Porque é aos professores a quem se confia a missão de formar as gerações mais novas e as que moldarão o futuro da nossa sociedade. Porque é a eles que se entrega a formação escolar dos nossos filhos. Porque são eles os primeiros detentores (e transmissores) do conhecimento. Porque, na organização de uma sociedade, tudo isto lhes atribui um papel crucial e indispensável. E, no entanto, esta concepção choca de frente com a realidade portuguesa, na qual os professores se dizem pouco reconhecidos e se queixam de falta de prestígio social. Ora, este desfasamento não começou ontem, tem-se acentuado e soa alto como um sinal de alarme. Dito de modo directo: já não dá para fugir ao tema, é mesmo urgente discutir a situação dos professores.
(...)
Quem escolhe os cursos de educação?
     Se alguém perguntar quais os cursos no ensino superior em que é mais difícil obter vaga, a resposta é mais ou menos conhecida por todos – Medicina, Matemática, alguns cursos de Engenharia, alguns cursos de Direito. Como tal, a classificação das notas de entrada nos cursos por áreas de estudo, representada na figura 1, não surpreende ninguém. Quem ambicionar ir para as Engenharias, para Saúde, para Veterinária ou para Direito só tem um remédio: estudar, estudar, estudar para ter notas competitivas, pois são essas as áreas de estudo com as médias mais altas. Só os melhores alunos do secundário conseguem entrar nestes cursos do ensino superior.
     Ora, se toda a gente sabe onde se classificam os cursos das áreas das Engenharias ou da Saúde, nem toda a gente sabe onde se posicionam na tabela os cursos de via ensino, que formam professores. E, para os encontrar, basta desviar o olhar para o fundo da tabela na figura 1. Os cursos de formação de professores são, na classificação das notas de entrada por áreas de estudo, os segundos a contar do fim – pior só a área de Serviço Social. Ou seja, a área de formação de professores é das menos competitivas e onde é menos difícil obter vaga no contexto do ensino superior. O que, traduzindo, quer dizer algo muito simples: os dados mostram que, em Portugal, entre os alunos que vão para o ensino superior, não só os melhores não desejam ser professores, como são por vezes os mais fracos que saem do secundário que escolhem os cursos via ensino.
     A leitura correcta dos dados solicita uma nota de esclarecimento suplementar: dizer que quem vai para os cursos de ensino são os alunos medianos/ fracos não equivale a afirmar que estes jovens e futuros professores não poderão vir a tornar-se profissionais de excelência. Nem as estatísticas são formas de determinismo, nem existe uma relação directa e provada entre ter boas notas na escola e ser-se bom a exercer uma profissão. O ponto aqui é que, como em todas as análises estatísticas que se guiam por valores médios, este diagnóstico apanha o perfil padrão de quem vai para os cursos de ensino – cujo ofício é ensinar e, por isso, que exigem uma sólida aquisição de conhecimentos. Assim, na prática, tudo isto quer dizer que, embora as notas de entrada nos cursos não sejam tudo o que importa, é parte muito importante da ponderação, porque nos informa tremendamente acerca do perfil dos jovens que querem ser professores. E só isso justifica que o tema seja abordado de forma frontal.

segunda-feira, 10 de dezembro de 2018

a Declaração Universal dos Direitos Humanos faz hoje 70 anos

No vídeo que se segue assista a um pouco da história  deste dia. 
O CRESCER apela à comemoração.

A Declaração Universal dos Direitos Humanos (DUDH) é um documento marco na história dos direitos humanos. Elaborada por representantes de diferentes origens jurídicas e culturais de todas as regiões do mundo, a Declaração foi proclamada pela Assembleia Geral das Nações Unidas em Paris, em 10 de Dezembro de 1948, através da Resolução 217 A (III) da Assembleia Geral como uma norma comum a ser alcançada por todos os povos e nações. Ela estabelece, pela primeira vez, a proteção universal dos direitos humanos. @ documentos ONU

sexta-feira, 7 de dezembro de 2018

a Feirinha de Natal pelos olhos do Pedro

O nosso fotógrafo fez chegar o seu trabalho fotográfico que ontem, por razões de ordem técnica, não conseguimos publicar.
É a Feirinha de Natal pelos olhos do Pedro Pinheiro.

















"venham, venham" e "vejam, vejam"

Feirinha de Natal foi um sucesso! Não era de esperar outra coisa. A organização foi muito eficiente e eficaz e os artesãos eram verdadeiros artistas. 
Que sorte a nossa ter uma feirinha assim! Para o ano há mais.











quinta-feira, 6 de dezembro de 2018

venham até à Feirinha de Natal!


A já tradicional Feirinha de Natal, que decorre nos dias 6 e 7 de dezembro na escola sede do Agrupamento, oferece uma enorme variedade de produtos artesanais.  


Desde artefactos em barro, bijouterie, pão caseiro, compotas, produtos hortícolas, fruta, queijos, telas, e objetos de adorno, há de tudo um pouco.


Venham! Venham!


Amanhã há mais. Tragam uns euritos e aproveitem para fazer as compras de Natal sem sair de "casa".



(A notícia será atualizada com imagens, assim que os nossos repórteres as façam chegar à redação.)

Hour of Code


A Escola Secundária de Águas Santas está a festejar o  evento mundial Hour of Code.
Durante dois dias, os alunos do 9.º ano são convidados pelos alunos  do curso de Informática de 10.º ano e de 12.º a fazer uma das coisas que mais gostam: programar. Os alunos de Informática ensinam a trabalhar num website bastante fácil de se utilizar, com base em peças de comandos que, no final, executam uma tarefa.

10.ºJ

quarta-feira, 5 de dezembro de 2018

a mesa já está posta!

O galo do Clube de Francês que se cuide, pois a mesa de Natal já está posta pelos alunos do 10º F, na disciplina de Desenho, ali bem pertinho.

onde está o galo?


Pois ele, o galo, ou melhor, "Le Coq", anda pelo corredor principal da escola. Aliás, não um "coq", mas muitos. E isto acontece porque foram muitos os alunos do Básico que aderiram a esta ideia do Clube de Francês, de decorar o galo, símbolo da França.
1º prémio

da esquerda para a direita 2º e 3º prémio
Todos os galos são bem curiosos, porém houve necessidade de destacar três como os melhores.
Parabéns a todos pela participação e pela criatividade!

alunos da U. Porto podem ter diploma de cinco universidades

A partir do próximo ano letivo, um estudante que entre na Universidade do Porto (U. Porto) ingressará num consórcio europeu formado por mais quatro universidades europeias: a Lund (Suécia), Ludwig-Maximilian Munich (Alemanha), Paris-Saclay (França) e Szeged (Hungria). A candidatura à formação desta aliança vai ser entregue até fevereiro na Comissão Europeia e é divulgada hoje pelas cinco instituições.  Um dos principais objetivos do consórcio, explicou ao JN o reitor da U. Porto, é a criação de novas ofertas formativas comuns às cinco universidades, especialmente ao nível dos mestrados e doutoramentos. No próximo ano, os alunos já irão sentir mudanças ao nível da mobilidade que será facilitada e apoiada financeiramente. @ JN

terça-feira, 4 de dezembro de 2018

a lista A ganhou

Como sabem, o ato eleitoral para a Associação de Estudantes decorreu na sexta-feira passada.
Os vitoriosos festejaram muito e só hoje fizeram chegar ao CRESCER os resultados.

Assim, a lista A recebeu 695 votos.
A lista V recebeu 565 votos.
E nulos foram 49 votos.

Ora, assim sendo, o CRESCER deseja uma feliz mandato à lista A e envia muitas felicidades à nova presidente, Carolina Anahory, e à vice-presidente, Verónica Queiróz.

hoje o CRESCER faz 34 anos


Hoje o CRESCER faz 34 anos.


É uma honra e um privilégio ser o projeto mais antigo da escola.


A todos agradecemos as palavras amigas que nos dirigem e o carinho que dedicam a seguir-nos.


segunda-feira, 3 de dezembro de 2018

campanha "árvore da vida"


No passado dia 1 de dezembro assinalou-se o Dia Mundial da Luta Contra a Sida com a implementação de uma nova Iniciativa de Complemento Curricular do PRESSE, que poderá ser dinamizada entre o dia 30 de novembro e o dia 10 de dezembro.
Entre 1983 e 2017 morreram 14500 pessoas por VIH/Sida e no ano de 2017 foram notificados 1030 novos casos.
Atualmente está disponível em todas as unidades de saúde, e em breve estará também nas farmácias comunitárias, um teste que em poucos minutos permite que qualquer pessoa tenha conhecimento do seu estado serológico face ao VIH. A realização deste teste, permite diminuir o n.º de diagnósticos tardios, o n.º de casos de doença e consequentemente o n.º de mortes.

Este ano, através da campanha «Árvore da Vida», o PRESSE pretende chamar a atenção para a importância do diagnóstico precoce e para o acesso universal de toda a comunidade a este teste rápido, incentivando à sua realização, como mais uma forma de prevenção, além do uso do preservativo.
 A «Árvore da Vida», decorada de laços vermelhos, agrega simbolicamente, os múltiplos casos de pessoas que, através do diagnóstico precoce, deixam de ser um “laço” isolado e descurado, e ganham proteção junto de uma comunidade. Essa comunidade, são outras pessoas nas mesmas circunstâncias – outros laços – mas também são ramos e raízes que os sustentam, e que representam todos os suportes e estruturas que existem para ajudar a prolongar a vida.
Esta Iniciativa de Complemento Curricular do PRESSE, através do claim: “Contra a sida, Decora esta ideia” lança um desafio que tem como intuito sensibilizar e envolver os alunos e docentes para o tema da Campanha «Árvore da Vida». De forma lúdica e empática, através da frase “Decora esta ideia” e do duplo sentido da mesma, a comunidade educativa é convidada a decorar uma árvore – com 1030 laços vermelhos - mas sobretudo uma ideia: a importância do diagnóstico precoce “Contra a Sida, pela vida”.
A mecânica é simples:
Elaboração de 1030 laços vermelhos, para decorar as várias árvores que se encontrem situadas nos locais onde se realizam os testes rápidos: ex. CAD e Unidades de Saúde (os 1030 laços são alusivos aos novos casos diagnosticados recentemente).
Nota: o material usado na elaboração dos laços é de escolha livre.
Os laços que as turmas fizerem deverão ser entregues às professoras Carmen Madureira e Gabriela Girão até ao dia 7 de dezembro.
No tronco da árvore, deverá também ser colocado um cartaz, com as seguintes mensagens chave:
2017: 1030 novos casos.
Usa preservativo.
Sabes se estás infetado? Faz o teste.
Através destas mensagens, o apelo é direto.
Trata-se de uma atividade de fácil operacionalização que não carece de meios excecionais. Além de estar acessível a todas as escolas e a todos os ciclos, é apelativa para os alunos - que deixarão uma marca ativa sobre a temática - e podendo gerar igualmente impacto na comunidade.
Pela vida, semeie esta ideia!


sábado, 1 de dezembro de 2018

dia mundial da luta contra a SIDA

O tema do Dia Mundial de Luta Contra a Sida de 2018 é "Conhece o teu estado". 

Em 2015 o acesso ao tratamento da SIDA atingiu 15 milhões de pessoas, mas mais de 60% das pessoas com VIH continuam sem acesso à terapia anti-retroviral. 
Não acontece só aos aos outros. Tenha uma vida saudável!

sexta-feira, 30 de novembro de 2018

histórias de escola (7)

A nossa equipa está no terreno e anda a inquirir elementos da nossa escola sobre "histórias de escola". As questões são sempre as que podem ler abaixo. Desta vez respondeu Natividade Meinedo,  docente de Português e Inglês do 2º ciclo.


1. Que professor mais a marcou e porquê?
2. Qual era a sua disciplina favorita?
3. Que episódio mais a marcou?
4. Alguma vez sonhou ser...?



1. Neste caso não posso dizer que foi só um professor. Logicamente, como a maioria das pessoas, o professor do primeiro ciclo é sempre um professor muito marcante. No meu caso também foi, porque ela era uma pessoa muito simpática. Não era muito comum os professores do primeiro ciclo serem assim muito simpáticos.
Depois, já no final do secundário, houve um professor de alemão que também me marcou bastante, porque era bastante inovador nas estratégias que utilizava na sala de aula. Naquela época o ensino era muito centrado no professor. Este professor, que era um pouco mais novo do que a maioria dos professores que eu tinha, trabalhava muito connosco, nós partíamos à descoberta das coisas, trabalhávamos em grupo, fazíamos atividades que não eram comuns na época e, portanto, esse professor também me marcou pela originalidade relativamente aos outros e porque, efetivamente, conseguiu cativar muito os alunos. Todos nós adorávamos aquelas aulas.

2. Durante muito tempo foi essencialmente inglês. Depois, quando cheguei ao secundário, tive psicologia e adorei. Fiquei até com desejo de seguir psicologia, mas depois, na parte final, graças ao professor de alemão que tive no último ano, acabei por me decidir pelo curso de letras, variante de inglês/alemão.

3. Mais uma vez, há mais do que uma situação ao longo do meu percurso escolar que me ficaram na memória. Na escola primária, o ensino era masculino ou feminino, portanto as escolas não eram mistas. A professora escolhia as três melhores alunas para irem a casa dela no seu aniversário e nós íamos assistir ao aniversário e ela dava-nos uma prenda em frente à família toda. Essa situação marcou-me porque ficávamos muito envergonhadas.
Entretanto, passei também por uma outra situação que foi o período do 25 de abril. Eu estava a estudar no antigo quinto ano, que agora corresponde ao nono ano, e na escola onde eu andava, como em muitas outras escolas no país, havia muitas lutas partidárias entre os alunos da direita e da esquerda e havia verdadeiras lutas campais dentro da escola, nas quais as pessoas se envolviam seriamente. Atiravam bancos pesadíssimos de ferro pelo ar, a polícia estava frequentemente lá na escola e, portanto, esse também foi um período da vida muito marcante, porque  passamos por uma mudança da ditadura para a liberdade, que nem toda a gente soube aproveitar da melhor forma. 

4. Tirando aquele sonho que todos temos de ser ricos e de nos sair a lotaria,  o que nunca me acontecerá pois não jogo, acho que posso dizer que o sonho foi sempre ser professora. Não quer dizer que às vezes pense que se calhar devia ter seguido outro caminho, mas sim, posso dizer que efetivamente sou aquilo que queria ser.
Ana Sofia Lopes e Mariana Cerquido

dia de eleições para a A.E.


Hoje é dia de eleições para a Associação de Estudantes.
Depois de um dia de reflexão, os alunos são chamados a exercerem o seu direito de voto para assim poderem ver a Associação de Estudantes representada pela lista vencedora.
Que tudo decorra de forma cívica e responsável é o que o CRESCER deseja.

quinta-feira, 29 de novembro de 2018

O meu filho tem más notas, e agora?

Do jornal PÚBLICO, o CRESCER selecionou parte de um artigo que interessará a todos.

"Está (...) na altura de assumirmos que nem todas as crianças têm de atingir os objectivos académicos que os pais consideram nobres e válidos. Há mais na vida. Não podemos ser todos advogados ou médicos, e os nossos filhos não nasceram para serem complementos de quem somos e dos sonhos que não pudemos atingir. Queremos o melhor para os nossos filhos, mas está na altura de pensarmos para além das notas e aceitarmos os sonhos dos nossos filhos — com a noção quem não serão todos o próximo craque da bola. Há que enaltecer os cursos técnicos, que com a sua aposta na prática preparam os jovens para as profissões que virão a desempenhar. Profissões como serralheiro, técnico de turismo ou de recolha de lixo são tão nobres e necessárias quanto quaisquer outras e existe mais procura para essas profissões do que saídas para muitos cursos superiores, incluindo aquele em que ingressei.
A faculdade hoje em dia não é tão necessária como fomos levados a crer. Há um número elevado de licenciados, mestres, doutorados desempregados. Por vezes, quanto maior é o grau atingido, menor é a empregabilidade, e temos de admitir que um canudo não faz de ninguém superior a quem quer que seja.
Os nossos jovens, adultos “para ser”, passam mais tempo na escola e em actividades de tempos livres, que enriquecem qualquer jovem com aquisição de novas capacidades. É verdade que os pais não conseguem dar o apoio que centros de estudo e explicações oferecem e que nesses sítios há profissionais motivados a incentivar as crianças a lutar e evoluir no seu percurso escolar. Creio, no entanto, que estamos a falhar em algo como sociedade: aquele tipo de educação que devia vir de casa." PÚBLICO


quarta-feira, 28 de novembro de 2018

o Geoatualidades informa: número de imigrantes em Portugal aumenta pelo quinto ano consecutivo

Como sabem, os alunos de Geografia Humana investigam questões  sobre a relação entre os seres humanos e o ambiente em que vivem. Desta vez, pesquisaram informação sobre o tema da imigração.


"O número de imigrantes em Portugal aumentou em 2017 pelo quinto ano consecutivo, estimando-se que tenham entrado no território 36.639 pessoas para residir no país, mais 6714 face a 2016, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística (INE).
As estatísticas demográficas referentes a 2017 revelam que 51% do total de imigrantes permanentes são mulheres, 55% tinham nacionalidade portuguesa, 38% nasceram em Portugal, 47% residiam anteriormente num país da União Europeia e 81% eram pessoas em idade activa (15 a 64 anos).
Já no que se refere aos que saíram de Portugal para residir no estrangeiro por um período igual ou superior a um ano (emigrantes permanentes), as estatísticas do INE registam que 31.753 pessoas o fizeram, menos 17% do que em 2016 (38.272)." @ PÚBLICO

no Dia Nacional do Pijama



"Por uma causa solidária onde crianças ajudam outras crianças."

     
     Mais uma vez, o Jardim de Infância de Moutidos aderiu à causa solidária da Associação “Mundos de Vida”.

       Com este gesto partilharam-se afetos, as crianças e famílias ficaram muito sensibilizadas, contribuindo para o mealheiro da "Casa dos Pijamas".

cortesia de Isilda Amorim

terça-feira, 27 de novembro de 2018

vem aí uma nova Associação de Estudantes


   


    Nos dias 27 e 28 de novembro de 2018 decorre a campanha para a eleição da nova Associação de Estudantes.

     São concorrentes a lista A e a lista V, sendo que ambas pretendem melhorar a escola, proporcionando atividades variadas ao longo do ano, que culminarão com a organização do baile de finalistas. A eleição decorrerá na próxima sexta-feira.
     Nestes dois dias a festa nos intervalos é rija e os decibéis fazem-se sentir num volume muito elevado. Ambas as listas trazem convidados que suscitam interesse aos alunos e proporcionam grande animação. Segundo alguns eleitores, falta conhecer claramente os objetivos de cada lista, mas por aquilo que o CRESCER pôde apurar, circulam pelas redes sociais e aí fazem furor. Os cartazes onde são avançadas as propostas de cada lista são os que aqui se divulgam.
     Depois destes dias, quinta-feira será dia de reflexão e sexta-feira os alunos decidirão qual destas listas melhor os representará.
10ºG

formação em "Mindfulness"


O Mindfulness é um aspeto central da tradição e psicologia budistas com cerca de 2500 anos de história. A palavra “Mindfulness” tal como é usada nos textos antigos, é uma tradução para o inglês da palavra em Pali “sati” que significa Consciência, Atenção e Recordação. A “Consciência” implica tornar-se consciente de tudo o que ocorre dentro e fora de nós, redirecionando a “Atenção” para os pensamentos e emoções em vez de tentar suprimi-los. Já o conceito de “Recordação” significa recordar-se de estar consciente e de prestar atenção.
Em contexto escolar, o Mindfulness oferece aos docentes e aos alunos ferramentas que permitem melhorar a sua atenção, conduzindo à autorregulação dos seus comportamentos e à diminuição dos níveis de stress.
Uma sala de aula atenta começa com um professor atento. E um professor Mindful pode servir como um modelo para os seus alunos. Quando os educadores observam e trabalham as suas próprias capacidades e condicionamentos, tornam-se mais bem-sucedidos a ensinar habilidades atencionais e equilíbrio emocional aos seus alunos.
O Centro para o Mindfulness na  Medicina e na Sociedade (CMMS) é uma organização criada por médicos psiquiatras e que possui cursos de formação vocacionados para grupos profissionais onde o stress é manifestamente elevado e crescente. A formação que propõe para professores introduz conceitos e práticas de ensinar com Mindfulness, fornecendo ferramentas para que estes possam estabelecer uma prática pessoal de Mindfulness formal e informal (MBSR). Pretende ainda ser uma inspiração para potenciar a motivação dos professores e desenvolver um sentimento de partilha colaborativa.

Formadores: Dr. Bruno Teixeira e Dr. João Perestrelo (médicos psiquiatras)
Formação 1: Mindfulness no Educador
Programa MBSR (Programa de Redução de Stress baseado em Mindfulness)
Formação 2: Do Educador para os Alunos e Cultivando o Mindfulness nos Alunos
Oficinas teórico-práticas
Início da ação: janeiro de 2019
Número de formandos: 10 a 15 formandos
Os docentes interessados em frequentar estas formações podem contactar as professoras Ana Bandeira e  Carmen Madureira através dos respetivos emails institucionais.


segunda-feira, 26 de novembro de 2018

a História, a Cultura das Artes e o Desenho em visita

         
           No dia 15 de novembro de 2018, no âmbito da disciplina de História A, História e Cultura das Artes e Desenho A, cinco turmas realizaram uma visita de estudo a Amarante e a Chaves, nomeadamente ao Museu de Amadeo de Souza-Cardoso e ao Museu de Arte Contemporânea de Nadir Afonso, respetivamente. Esta visita teve como principal objetivo consolidar as aprendizagens adquiridas em contexto de ensino-aprendizagem das disciplinas envolvidas na visita, de modo a compreender melhor o modernismo  em Portugal.
            
      Inicialmente visitaram o Museu de Amadeo de Souza-Cardoso, em Amarante, acompanhados por um guia que os ajudou a “decifrar” alguns aspetos relacionados com as obras do museu, sobretudo a nível da temática, das cores e formas utilizadas e também a influência das vanguardas artísticas nos quadros. Primeiramente o grupo de estudantes visitou uma sala onde estava retratada a exposição "Os Modernistas. Amigos e Contemporâneos de Amadeo de Souza-Cardoso" com obras de Almada Negreiros, Eduardo Viana, António Carneiro, entre outros. Os alunos tiverem ainda o privilégio de ter contemplado uma exposição temporária de outros artistas como Mário Eloy.
      Da parte da tarde, os estudantes dirigiram-se para Chaves, onde visitaram o Museu de Arte Contemporânea de Nadir Afonso. Lá, e novamente acompanhados por um guia, contemplaram várias obras de pintura e arquitetura de Nadir. Semelhante ao museu de Amadeo, neste também havia uma exposição temporária, intitulada de “EMA BERTA” – a luminosa exaltação das sombras. As pinturas deste modernista destacam-se pela sua geometrização e pelo uso de cores vibrantes e coloridas. Já as suas obras arquitetónicas distinguem-se pela simplicidade, racionalidade e pelo uso de novos materiais como o betão, algo inovador na época. Neste local, os alunos tiveram a sorte de encontrar a viúva de Nadir, que os ajudou a compreender melhor a vida do falecido marido, bem como as componentes das suas obras. Seguidamente, assistiram a um documentário sobre a carreira e a vida do pintor e arquiteto.

       
Após uma visita detalhada a estes dois museus, as turmas regressaram a Águas Santas.                                                                                                         
Cátia Pacheco