Número total de visualizações de página

terça-feira, 14 de novembro de 2017

do professor Carlos Simão

Este texto é da responsabilidade do professor Carlos Simão. Foi dito por ele no dia da entrega dos diplomas aos alunos dos cursos profissionais e chegou ao CRESCER com o pedido de divulgação. Aqui segue.

Parabéns, gente!
ESTA PARECE SER A MINHA ÚLTIMA PALESTRA PARA VOCÊS, PELO MENOS NESTE CONTEXTO DE PROFESSOR E ALUNOS. NUNCA SE SABERÁ O FUTURO.
Esta é a minha homenagem a vocês, A TODOS os que fizeram comigo este percurso nestes últimos três anos.
Que ninguém fique triste perante uma despedida. Uma despedida é sempre necessária para nos voltarmos a encontrar. E um reencontro, depois de um momento, ou depois de toda uma vida, é algo inevitável, se o sentimento de consideração for verdadeiro.
Cada vez que nos despedimos de alguém, faz-se noite no nosso coração e sempre que um reencontro acontece, de novo se faz dia. O Sol volta a brilhar como se essa pessoa fosse imprescindível para que houvesse diferença entre o dia e a noite. É na agonia de uma despedida, quando forçosamente esse momento acontece, é nesse instante que percebemos a profundidade dos nossos sentimentos, o valor de uma amizade. É COMO ME SINTO E NOS SENTIMOS HOJE.
Muitos jovens já passaram pela minha vida nestes 26 anos como professor e 31 anos como treinador de voleibol. Uns cruzaram-se comigo e nunca mais soube deles, ou porque a vida de cada um não nos permitiu, ou porque simplesmente pouco se manifestou em comum para que de novo nos cruzássemos.
Outros há que, se o destino existe e partindo do princípio que cada um de nós tem o seu traçado, quis o dito que cruzassem a minha vida e na minha vida ficassem.
Esses são aqueles que muito mais que meros seres humanos com quem tive o privilégio de trabalhar, partilhar momentos, sentimentos, sorrisos, brincadeiras, vitórias, derrotas, alegrias e lágrimas... são aqueles que entraram na minha vida e aí permanecem... são esses que não nos esquecem e eu não mais esquecerei.
Não me despeço de vocês, porque, na realidade, ainda que na ausência física, vocês estarão, sempre, comigo.
As recordações construíram um caminho que me permite, ainda hoje, sentir muitas dessas emoções vividas nas aulas no pavilhão, no exterior, nas aulas de dança e em todas as invenções que criávamos: nas autoavaliações, nas palestras, nas caminhadas na serra, nas atividades ao ar livre… Enfim, lembro-me de quase tudo (apesar de que a idade não perdoe).
Sei que barafustei, berrei, zanguei-me, impus castigos (alguns) e vocês, com certeza, lembram-se bem deles. Sei que não tinha esse direito, mas os adultos são assim!
Permanecerá a lembrança dos vossos rostos sempre sorridentes e felizes, que compreendiam tudo silenciosamente, que acalmavam a minha injusta conduta de "adulto" para convosco.
Acima de tudo vejo a amizade, o carinho, a enorme ternura e consideração que sempre senti por vocês. Por todos vocês!
Não esquecerei nenhum. Cada um a seu jeito, deixou a sua marca, marcou um território. Podem estar certos disso. Não esquecerei o rosto pessoal, o jeito e os maus feitios. De cada um.
Estou plenamente convicto que nesta hora do “SEJAM FELIZES”, apetece-me pedir-vos DESCULPA.
O meu pedido de desculpa prima por ser autêntico, verdadeiro, sincero e, sei que todos vocês, sem esquecer um, me perdoará, com um abraço sem mágoa, sensíveis como sois, não só nas tristezas, como nas alegrias da vida.
Foram traquinas, irrequietos, indisciplinados, fizeram-me e fizeram-nos por vezes a vida negra nas aulas e na escola, mas isso só vos dá um valor incalculável, porque mudaram, alteraram comportamentos, refletiram e acima de tudo entenderam a mensagem que era pretendida ser passada.
Para mim, como professor, felicito-vos pela compreensão, resignação e alegria com que aceitaram as minhas censuras aos vossos atos, por vezes menos corretos, que assumi para convosco para melhorar a situação, embora, por vezes, a dureza das palavras exigisse outra solução mais entendedora e calma.
Têm de compreender que não é fácil. Cada um de nós não tem apenas uma só turma, nem tão pouco vinte e poucos alunos. São muitos mais e, por vezes, as atitudes e comportamentos mais irrefletidos que temos, têm essa mesma justificação, simplesmente pela grande variedade de comportamentos e atitudes de todos esses alunos.
Cada gesto, cada palavra, cada som, cada atitude vossa, serão preservados como um tesouro imenso, uma riqueza incalculável, que ficará sempre comigo e me irá servir para usar com outros alunos que virão depois de vocês.

Neste momento, e para terminar, falta-me dizer duas coisas.
A 1ª prende-se com estes meus colegas aqui presentes, das diferentes áreas, que me receberam neste ambiente do ensino profissional, de uma forma espetacular, e que juntos tudo fizemos para vos dignificar como alunos e futuros profissionais;
A 2ª, homenagear à vossa frente todos os professores das áreas técnicas, que desenvolveram com vocês um trabalho magnífico de formação, e que sempre vos defenderam com unhas e dentes. Gostava de ter tido no meu percurso escolar, alguém que me tivesse defendido e ajudado como eles o fizeram.
POR ISSO, NESTA HORA FINAL, SÓ ME OCORRE DIZER:
OBRIGADO, ATÉ SEMPRE E FAÇAM O FAVOR DE SER FELIZES!


Carlos Simão

Sem comentários: