Número total de visualizações de página

sexta-feira, 28 de abril de 2017

quem nos ama não nos agride

Este vídeo foi desenvolvido pela turma E do 12º ano, no âmbito do Projeto de Educação Sexual de Turma, e assume como principal finalidade a sensibilização para a problemática da violência no namoro.
Não esqueçam: quem nos ama, não nos agride.

"Quem quer ser milionário?"

 No dia 26 de Abril, o auditório encheu-se de alunos do 9º e 10º ano durante todo o dia devido ao concurso "Quem quer ser Milionário?", no âmbito do dia da economia.



Esta atividade foi da responsabilidade dos alunos do curso de economia de 11º ano e contou com o auxílio dos alunos do curso profissional de gestão. 
Foi um dia em cheio com espírito positivo tanto por parte dos alunos que organizaram, como dos que participaram bem os professores envolventes.

quinta-feira, 27 de abril de 2017

leituras, sentidos e saberes



Realizou-se hoje, no Fórum da Maia, mais um espetáculo LS2 – Leituras, Sentidos e Saberes - concebido e desenvolvido pela Rede de Bibliotecas da Maia.
Este evento proporciona à comunidade educativa o contacto com a obra e autores portugueses. Este ano foi homenageada a escritora Ana Saldanha, presenteada com diversos trabalhos realizados pelos alunos do concelho.
Os alunos da turma 7º I e do Clube de Leituras dramatizaram brilhantemente "O Sam e o Som".
Os alunos do 4º BM do Centro Escolar da Gandra abrilhantaram o espetáculo dramatizando "O Tesouro do Palácio".
Parabéns a todos!

qualquer semelhança com a realidade (não) é pura coincidência

Simão, Alice, Helena e Luana


Acabou de acontecer.

Alguns alunos do 11º H, levaram a cabo uma encenação sobre os tempos idos de Águas Santas, num trabalho no âmbito da disciplina de História.


Não faltou o padre, a alcoviteira, a jovem nobre e a escrava.

Todos juntos num trabalho que envolveu texto, encenação, música e muito público - as turmas de Humanidades de 10º e de 11ºano.

Estão de parabéns. Há que continuar.

quarta-feira, 26 de abril de 2017

Habemus DIRETOR!

O Conselho Geral informa que o diretor da nossa escola foi eleito por unanimidade
professor Manuel Carneiro Ferreira
O jornal Crescer aproveita para o felicitar e lhe desejar um bom trabalho em prol de toda a comunidade escolar.
As grandes instituições só são verdadeiramente grandes quando lideradas por grandes pessoas!

os dias do Departamento das Ciências Sociais e Humanas

A semana do Departamento das Ciências Sociais e Humanas decorre de 24 a 28 de abril.
Apreciem as imagens, os sons, os filmes e até os cheiros que nos transportam para outros tempos e outros lugares. Sobretudo, apreciem todos os trabalhos, visitando respeitosamente o corredor central.

Adicionar legenda










terça-feira, 25 de abril de 2017

visita ao "reino maravilhoso"

No passado dia 21 as turmas do 11º ano de Línguas e Humanidades e de Ciências Socioeconómicas (E, G, H e I), rumaram até uma região ímpar, que é o “Reino Maravilhoso” de Miguel Torga, classificada pela UNESCO como Património da Humanidade nas áreas adjacentes ao vale do rio Douro e seus afluentes. 
Foi uma visita de estudo ao Museu do Douro, à Quinta da Senhora da Graça, à Fundação Casa de Mateus e ao Centro de Interpretação do Alvão, no âmbito das disciplinas de Geografia A e de História A, que deixou todos os participantes com vontade de voltar. 




cortesia de Isabel Agrelos

hoje é feriado

Sabem porquê?

Talvez valha a pena recordar. Conversar com os mais velhos. Consultar os manuais de História. Investigar. E ter opinião. Em liberdade.

segunda-feira, 24 de abril de 2017

os cantinhos da escola

"Esta é uma escola feita de mãos." E de mãos lindas e maravilhosas que procuram fazer com que os nossos espaços sejam também eles cada vez mais agradáveis.
Descubram estes nossos cantinhos. Onde são? Quem sabe?
Bem hajam as mãos que no-los proporcionam!




escolas públicas obrigadas a comunicar falhas nos boletins de vacina dos alunos

Apesar de ser prática as escolas pedirem o boletim de vacinas, ninguém pode ser barrado da inscrição. Mesmo se estiver em falta, diz o Ministério da Educação.

As escolas públicas estão obrigadas a comunicar ao centro de saúde da sua zona as falhas nos boletins de vacina dos alunos, informa o gabinete de comunicação do Ministério da Educação (ME). Mas, apesar de na hora das matrículas, ser prática os estabelecimentos de ensino pedirem o boletim de vacinas em dia, nenhum aluno pode ser impedido de se inscrever se não o tiver, acrescenta o ME.
O período de matrículas para o próximo ano lectivo começou na segunda-feira. E as práticas quanto à exigência do boletim de vacinas em dia variam consoante o agrupamento ou a direção escolar. No entanto, nenhuma das escolas ou associações contactadas pelo PÚBLICO se deparou com o incumprimento deliberado da vacinação do Programa Nacional de Vacinas por pais "anti-vacinas"
O tema foi levantado recentemente por causa do surto de sarampo: desde Janeiro foram confirmados 21 casos, um ano depois de a doença ter sido considerada eliminada em Portugal. Uma adolescente de 17 anos estava internada no Hospital de Dona Estefânia, em Lisboa, depois de ter sido infectada por um bebé de 13 meses, não vacinado — morreu nesta quarta-feira de madrugada. Em Portugal, mais de 95 mil jovens não estarão vacinados. @ Público

sobredotados: para estes alunos não é difícil aprender, o problema é a escola

daqui
Ainda não eram 9h da manhã e o telemóvel de Ana César Aires já tocava. Era a professora do 1.º ciclo do seu filho com mais uma queixa: Pedro não tinha feito os trabalhos de casa. Não era a primeira vez que acontecia. “Era um massacre”, recorda esta mãe, “ligava todos os dias, muitas vezes mais do que uma vez”. 
A história tem cinco anos e o telefonema daquele dia foi o gatilho que fez a família procurar ajuda até descobrir uma resposta: Pedro é sobredotado. Tem mais facilidade do que a média para aprender. Mas os problemas de atenção e comportamento são um dos reflexos clássicos das dificuldades que estes alunos têm para lidar com as escolas. E estas não conseguem, muitas vezes, dar-lhes uma resposta. 
Durante todo 1.º ciclo, Pedro Aires teve “um aproveitamento excelente”, recorda o pai, Renato. Os problemas com a escola não eram académicos, mas de comportamento. Não fazia os trabalhos de casa e não estava atento às aulas: “A escola estava sempre a reportar-nos chatices.”
Pedro Aires reconhece: “Os trabalhos não me ajudavam a compreender mais a matéria e então não fazia.” Tem agora 12 anos.
Por vezes, prossegue, fazia um ou dois exercícios e deixava o trabalho incompleto. Já tinha compreendido o necessário e ia dedicar-se a outra coisa. Hoje continua a deixar algumas coisas por fazer. Nas aulas, diz, não são raras as vezes em que sabe mais do que aquilo que os professores estão a ensinar. “Aprendo algumas coisas na escola, mas outras vezes ouço coisas que já sei e aí corto-me um bocadinho”, explica.
Distrai-se, fala com os colegas. Ou então senta-se sozinho “para não ter ninguém com quem falar”, continua, com um sorriso.
Quando chegou a este estabelecimento, há dois anos, entrou no 8.º ano, mas em Janeiro recorreu à figura do avanço escolar e passou para o 9.º. O resultado não podia ter sido melhor. “Até então o Pedro não sabia o que era o desafio escolar. Era tudo fácil, fazer um teste era um pró-forma”, diz a mãe, Maria Tavares. A grande mudança para ele foi, contudo, psicológica. “Hoje está tranquilíssimo na escola.” @ Público

sexta-feira, 21 de abril de 2017

a demanda da bateria perfeita passa pelo Porto

Na segunda metade da década setenta do século passado havia um número limitado de dispositivos elétricos móveis utilizados pela generalidade da população. Eram os transístores, lanternas e alguns mais, cuja autonomia dependia do tamanho das pilhas que utilizavam. Acresce alguns dispositivos militares que embora não tendo as fontes de eletricidade perfeita permitiam tempos de autonomia tanto mais aceitáveis quanto mais elevado fosse, o, já de si grande, peso das baterias. 
Assim sendo, não é de estranhar que quando John Goodenough, inventou uma bateria elétrica, de menor peso e maior capacidade de carga elétrica, pouca importância se lhe tenha atribuído.
Contudo, a democratização das comunicações móveis, a generalização dos computadores portáteis, as alterações climáticas e as preocupações ecológicas, obrigaram os fabricantes a retomar o processo de armazenamento de energia elétrica inventado por Goodenough, a bateria de iões de lítio.
Esta tecnologia tem sofrido melhoramentos consideráveis embora ainda não sejam suficientes para uma aceitação sem reserva. A duração da carga dos telemóveis parece-nos sempre insuficiente e sabemos que, em alguns casos, raros é certo, mas dramáticos, a bateria de iões de lítio explode.
Entretanto tem vindo a ser tentada a utilização deste tipo de baterias em veículos, mas é aqui que se têm revelado mais acentuadamente as suas limitações e que têm sido um entrave à generalização da aceitação dos veículos elétricos. Pese embora o enorme avanço que se tem verificado nos últimos anos, estas baterias ainda são dispendiosas, com longos tempos de carga, e de relativa pequena autonomia.
Esperaríamos um novo golpe de génio para alterar o estado atual da arte.
Em janeiro deste ano, este golpe surgiu sob a forma de um artigo científico com o título “Alternative strategy for a safe rechargeable battery” na revista “Energy & Environmental Science “. Antes de mais devemos manter alguma prudência para com esta descoberta pelo facto de ela, por enquanto, se manter no meio académico e existir um salto, que é necessário efetuar, entre os laboratórios das universidades e a indústria. 
No entanto, esta nova bateria tem-se revelado muito promissora. Os autores da descoberta estimam que esta permita três vezes mais energia armazenada para o mesmo volume das atuais, tempos de carga muito menores, mais seguras, maior longevidade e de muito menores custos. Enfim, tudo o que esperávamos para a sua utilização em veículos elétricos. 
Para nós, portugueses, esta descoberta traz um acréscimo de alegria. O artigo científico foi escrito por uma equipa de que é parte importante a professora Maria Helena Braga da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto e que está atualmente a trabalhar como investigadora sénior na Escola de Engenharia Cockrell da Universidade do Texas, conjuntamente com N. Grundish, A. Murchison e por John Goodenough agora com a bonita idade de 94 anos.


Sérgio Viana

"A Europa vai à Escola"


Deslocou-se ontem à nossa escola o Dr. João Pedro Frutuoso, coordenador do Centro Europe Direct do Porto.

O programa da visita consistiu na realização de três palestras no Anfiteatro da Escola dirigidas às turmas 11ºI, 11ºH, 11ºG, 11ºE, 10ºJ, 10ºI e 10ºH.

A iniciativa enquadra-se num programa designado "A Europa vai à Escola". 

Nas Palestras foram abordadas não apenas as questões da atualidade europeia, como o BREXIT, como também o papel político da União Europeia desde a segunda metade do século XX. 

As sessões decorreram num ambiente interativo onde foram esclarecidas muitas dúvidas dos nossos alunos sobre oportunidades de formação, voluntariado e emprego na União Europeia.  

No final foram distribuídos aos alunos participantes brochuras alusivas aos 60 anos do "Tratado de Roma"  
Este evento foi organizado pelos professores dos grupos de Filosofia e de Geografia.


quinta-feira, 20 de abril de 2017

de pequenino...

Em início de 3º período, os meninos do 2.º ano da escola da Pícua tiveram a oportunidade de estudar plantas cultivadas e comestíveis com os 5 sentidos. Ficaram a conhecer a planta da fava com todas as suas partes, da raiz ao fruto, da ervilha de quebrar, a couve, o quivi ainda a despontar e os espinafres. Foi uma animação! 







quarta-feira, 19 de abril de 2017

vacinar é o melhor remédio

O sarampo espalha-se com facilidade. Por gotículas. A transmissão é direta, por tosse, espirros, fala ou respiração. E quando se pensava que a doença estava adormecida, até mesmo extinta, eis que desperta e entra em Portugal, provavelmente trazida da Venezuela.
Os mais recentes dados da Direção-Geral da Saúde (DGS) dão conta de 26 casos: 15 confirmados e 11 em fase de investigação. Sete estão no Algarve e os restantes na região de Lisboa. Neste momento, faleceu, no Hospital Dona Estefânia, em Lisboa.uma jovem de 17 anos que contraiu o vírus de uma bebé de 13 meses não vacinada.
A DGS fala num surto, está atenta à situação, e alerta para a vacinação. As vacinas são gratuitas e as crianças devem ser vacinadas contra o sarampo aos 12 meses com reforço da dose aos cinco anos, segundo o recomendado no atual plano de vacinação. As que não foram vacinadas de acordo com o atual programa, podem fazê-lo entre os 11 e os 13 anos.
«Nos últimos anos, tem havido por parte de algumas famílias a ideia que as vacinas podem ser prejudiciais para as crianças. A vacinação, num ou noutro caso, pode ser um problema, mas o que se consegue com a vacinação é muito mais do que o risco que se pode correr com as vacinas», avisa o médico. Rui Sarmento não tem dúvidas. A vacinação é a melhor forma de prevenir o sarampo e se o número de casos continuar a subir a DGS deve, na sua opinião, insistir nesta matéria. «Quem está imunizado não terá esse problema. Quando não havia um plano de vacinação muitas crianças eram infetadas, chegavam à idade adulta e já estavam imunizadas», diz.
Os dias do sarampo estão contabilizados. Depois do contacto com alguém infetado, surgem os sintomas. O período de incubação é de 10 a 12 dias. Depois o corpo sente uma espécie de gripe com febre alta, tosse, olhos vermelhos, corrimento nasal. Três ou quatro dias depois, manchas avermelhadas na cara que vão descendo e pintando o corpo. As manchas não têm prurido, nem provocam comichão, e demoram cerca de uma semana a desaparecer.
Não há um tratamento específico, nem pomadas para as manchas. «É o próprio organismo que vai resolver o problema. Uma semana depois das manchas, começa tudo a desaparecer e a criança recupera totalmente. Se não houver nenhuma complicação, não há tratamento», explica Rui Sarmento. Baixa-se a febre, reforça-se os líquidos na alimentação. Tratamento à medida dos sintomas. Das dores de cabeça, da falta de apetite, da sonolência.
Se houver complicações, a conversa é outra. «O vírus ataca, diminuiu as defesas do organismo, se não há uma resposta adequada à virulência criam-se condições para criar bactérias nos pulmões, por exemplo». E aparece uma pneumonia que tem de ser tratada com antibióticos e que pode ou não ser mortal. Haverá casos que necessitem de internamento e de isolamento e, por isso, é importante evitar o contacto com os não imunizados. «Alguém trouxe o sarampo para Portugal, já não tínhamos casos há muitos anos, e é muito fácil disseminar o vírus, transmite-se por gotículas, a tossir, a falar, a cantar», refere o médico.
O sarampo chegou a ser dado como extinto pela DGS. No ano passado, Portugal recebeu da Organização Mundial da Saúde (OMS) um diploma em que o país estava oficialmente livre de sarampo. Mas não foi assim. Segundo o diretor do Serviço de Doenças Infeciosas do Centro Hospitalar do Porto, nunca se pode afirmar que uma doença está erradicada enquanto não houver a certeza absoluta que ela deixou de existir em todos os cantos do mundo e para sempre. @ NM

vêm aí mais torneios

Desta vez, os torneios são de Badminton. Decorrerão no dia 5 de maio, entre as 8h30m e as 18h, mas as inscrições só podem ser feitas até dia 30 de abril. Apressem-se!


(re)começou...

Dizem que a chuva abençoa. Assim seja! É o que queremos para este 3º período: um tempo de bons desempenhos para todos saírem vitoriosos.

Lembram-se de o CRESCER anunciar mais uma saída ao CERN? Pois bem, os viajantes não se esqueceram de enviar imagens. Segue uma, para memória futura.
cortesia de Helena Ferraz

sexta-feira, 7 de abril de 2017

enquanto a escola se renova...

... para receber TODOS no derradeiro período letivo, aproveitem para descansar a mente e o corpo e voltem revitalizados.

Até já!

um convite no âmbito das Comemorações do Centenário das Aparições

É um convite e veio da parte do grupo disciplinar de EMRC. Aqui fica, em tempo de comemoração do centenário das Aparições.

e por onde andam estes viajantes?

Segue uma ajudinha para poderem responder.
CERN foi criado em 1953 e, de acordo com a Convenção assinada pelos Membros Fundadores, o objetivo principal desta organização científica foi a "promoção e a colaboração entre Países Europeus na área da investigação fundamental no domínio da Física da Altas Energias (FAE), de modo a permitir à Europa a liderança nesse domínio". Desde então, o CERN é o maior laboratório de física de partículas do mundo, localizado na região noroeste de Genebra, na fronteira Franco-Suíça.
O CERN é financiado por vinte Estados Membros: Alemanha, Áustria, Bélgica, Bulgária, Dinamarca, Espanha, Finlândia, França, Grécia, Holanda, Hungria, Itália, Noruega, Polónia, Portugal, Reino Unido, República Checa, República Eslovaca, Suécia e Suíça. Por sua vez, oito organizações internacionais e países possuem o estatuto de observador no Conselho do CERN: a União Europeia, Índia, Israel, Japão, Rússia, Turquia, UNESCO e Estados Unidos. Atualmente, é o local de trabalho diário para aproximadamente 2200 funcionários de várias culturas e nacionalidades a tempo inteiro, e ainda 8000 cientistas e engenheiros visitantes provenientes de todo o mundo.@ daqui

"era uma vez... conta-me outra vez..."




A Semana da Leitura foi vivida simultaneamente com a Feira do Livro nos diferentes Jardins de Infância do Agrupamento. 













A adesão dos pais foi crescendo ao longo da semana com leituras em contexto de sala. Daí que daremos continuidade a esta atividade de leitura até ao final do ano letivo.



​A Feira do Livro​ encerrou com a "Hora do Conto" apresentada pela contadora de histórias Ana Esteves e aberta às famílias".




quinta-feira, 6 de abril de 2017

a festa desportiva do futebol no 2º ciclo

O último dia de atividades letivas deste período foi um dia em cheio, sobretudo para os nossos alunos mais jovens. Houve lugar para o torneio de futebol do 2º ciclo e disputaram-se 60 jogos, realizados em três campos dentro do pavilhão. 
Foi óbvia a grande adesão por parte de todas as turmas do 2º ciclo, com as bancadas sempre em festa com as claques a puxarem pelas suas equipas.






Estas são as classificações finais:
5º ano masculino       - 1º classificado –  5º A
                                      - 2º classificado –  5º F
5º / 6º ano feminino  - 1º classificado –  6º F
                                       - 2º classificado –  6º H
6º ano masculino       - 1º classificado – 6º L
                                       - 2º classificado – 6º G

Parabéns a todos pela entrega e pela alegria!