Número total de visualizações de página

terça-feira, 24 de maio de 2016

à descoberta da Biodiversidade (IV)

O Jornal Crescer dá continuidade à rubrica à descoberta da Biodiversidade, da responsabilidade do professor Pedro Pimenta, cujo objetivo é a promoção científica e a sensibilização para questões da biodiversidade da Maia. 

Esta rubrica pretende contribuir para um conhecimento mais alargado da população escolar sobre aspetos ligados à biodiversidade, pois conhecer é o meio para preservar. 
Os desenhos são da responsabilidade dos artistas que quiserem ilustrar os textos. Neste caso, o desenho é da responsabilidade do professor Pedro Pimenta, autor do texto.

Athene noctua (Scopoli) 1769
desenho de Pedro Pimenta, docente de Biologia
Mocho-galego
Descrição
Comprimento: 23-27 cm.
Pequeno, com cabeça grande e bastante arredondada, patas compridas e cauda curta. Partes superiores castanhas com pintas brancas e partes inferiores esbranquiçadas, densamente listradas de castanho. Sobrancelhas oblíquas e esbranquiçadas. Olhos amarelos.

Distribuição global
Espécie que se distribui principalmente pela Europa, Ásia e norte de África.
 Distribuição nacional
O mocho-galego distribui-se por quase todo o território continental, sendo mais comum na metade sul.
Habitat
É uma ave própria de espaços abertos, frequentando pastagens, incultos, montados, hortas e pomares.
 Alimentação
Alimenta-se de insetos, aves, pequenos anfíbios e répteis.
Águas Santas
Em Águas Santas habita preferencialmente as áreas de cultivo.
Reprodução
O mocho-galego inicia a reprodução no mês de abril. Nidifica em buracos de árvores, muros e tocas de coelhos. Põe 3 a 5 ovos, incubados unicamente pela fêmea durante 28-29 dias, voando os jovens pelas quatro semanas.
Referências
Equipa Atlas (2008). Atlas das aves nidificantes em Portugal (1999-2005). Instituto da Conservação da Natureza e da Biodiversidade, Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves, Parque Natural da Madeira e Secretaria Regional do Ambiente e do Mar. Assírio & Alvim. Lisboa.

Mullarney, K., Svensson, L., Zetterstrom, D. & Grant, P.J. (2003). Guia de Aves. Guia de campo das aves de Portugal e Europa. Assírio & Alvim. Lisboa.

1 comentário:

CRESCER disse...

Os nossos meninos das Artes têm-nos brindado com belíssimos desenhos. Este ganha excecionalidade por ter sido feito pelo professor autor do artigo, Pedro Pimenta, da área da Biologia.
Parabéns, Pedro!