Número total de visualizações de página

terça-feira, 19 de maio de 2015

lembrar para não esquecer


A 19 de Maio de 1954, há 61 anos, na sequência de uma greve de assalariados rurais alentejanos por melhores remunerações, a ceifeira portuguesa Catarina Eufémia foi assassinada, a tiro, pelo tenente Carrajola, da Guarda Nacional Republicana. O mais novo dos seus três filhos, com oito meses, estava ao seu colo quando foi baleada.

Este triste acontecimento transformou Catarina Eufémia num ícone da resistência dos trabalhadores alentejanos contra o regime ditatorial imposto por Salazar, que não permitia qualquer tipo de manifestação por melhores condições de vida.

Sem comentários: