Número total de visualizações de página

terça-feira, 6 de janeiro de 2015

alunos mais novos deviam ter menos testes e mais formação

Qual a sua opinião, caro leitor? Polémico, não?

Um especialista da OCDE defendeu, esta segunda-feira, que entre os alunos mais novos, o ensino em Portugal devia estar mais focado na avaliação formativa, que consegue detetar as necessidades dos estudantes, do que na avaliação sumativa.
FOTO FILIPE AMORIM/GLOBAL IMAGENS

Paulo Santiago criticou a cultura portuguesa de "excessiva atenção e preocupação [com] as notas e classificação dos alunos", durante um encontro em Lisboa, sobre a avaliação no sistema de ensino, promovido pelo Conselho Nacional de Educação (CNE).
"A cultura da nota está instalada em Portugal e demora anos a mudar. Há a pressão dos pais que não entendem a mudança para as notas qualitativas", lamentou o analista da Direção de Educação da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE).
Segundo um estudo da OCDE sobre políticas nacionais de avaliação, aplicadas em 28 países, "a avaliação formativa evita a excessiva atenção [centrada] nas notas e na classificação dos alunos, que infelizmente ainda acontece em Portugal", contou Paulo Santiago.
Já a avaliação formativa permite "diagnosticar as necessidades de aprendizagem dos alunos e oferecer um 'feedback' em tempo real", sublinhou o analista.
O estudo "Synergies for Better Learning: An International Perspective on Evaluation and Assessment" ("Sinergias para uma melhor aprendizagem: uma perspetiva internacional sobre avaliação") defende que é preciso encontrar "um equilíbrio entre formação formativa e sumativa".
A avaliação sumativa, segundo o estudo, deve complementar uma apreciação interna (feita pelos professores pelo trabalho realizado ao longo do ano na sala de aula) e uma externa: a interna tem maior grau de validade, por se basear em informações continuas e contar com maior diversidade de tipos de avaliação (como projetos, provas orais ou trabalhos de grupo); a avaliação externa tem um maior grau de confiabilidade, porque as provas e critérios de avaliação são iguais para todos, lembrou. @ JN

Sem comentários: