Número total de visualizações de página

domingo, 17 de junho de 2012

prosa inédita de Álvaro de Campos publicada amanhã

A prosa completa de Álvaro de Campos, alguma da qual até agora inédita, foi pela primeira vez reunida em livro e chega às livrarias na próxima segunda-feira, numa edição da Ática, disse à Lusa fonte do grupo Babel.

São mais de 40 textos inéditos de Álvaro de Campos, "talvez o mais popular heterónimo de Fernando Pessoa", como escreveu no prefácio da obra o coordenador da nova série de Obras de Fernando Pessoa, Jerónimo Pizarro, que assina com Antonio Cardiello a edição deste volume, com a colaboração de outro investigador pessoano, Jorge Uribe.

Para o investigador, a publicação, pela primeira vez, da prosa completa de Álvaro de Campos é "um acontecimento editorial tão relevante quanto a primeira publicação de 'O Livro do Desassossego', há exatamente 30 anos".

E porquê? Porque "Campos foi a personagem mais ativa, interventiva e penetrante criada por Pessoa e a única que deixou uma prosa de uma dimensão idêntica à que se encontra no 'Livro do Desassossego' [conforme o título original, publicado em 1982]", explica o professor da cátedra de Estudos Portugueses do Instituto Camões na Universidade dos Andes, em Bogotá, Colômbia.

"Afinal - prossegue -, a prosa tardia de Campos é contemporânea da prosa tardia do 'Livro' e ambas foram escritas pelo mesmo autor quando este havia já atingido um raro domínio da sua arte. Para mais, foi o próprio Pessoa quem afirmou que o seu semi-heterónimo Bernardo Soares se assemelhava em 'muitas coisas' ao seu heterónimo Álvaro de Campos".

O que esta obra demonstra é que Álvaro de Campos - apesar de mais conhecido como "o 'dandy' de estirpe maldita que escreveu alguns dos grandes poemas metafísicos da literatura portuguesa, retratando-se como um vencido, como um falhado, como um marginalizado, como "um cão tolerado pela gerência"- foi também um prosador, embora esse facto tenha sido "algo negligenciado, até pelo próprio Pessoa", observa Jerónimo Pizarro. @ JN

Sem comentários: