Número total de visualizações de página

sábado, 15 de outubro de 2011

desafio I, parte II

Alguém lamentou termos parado com os desafios de fim de semana. E, de facto, desde que somos o suporte do Crescer abandonamos esse passatempo. A vertente informativa ganhou dimensão e a lúdica foi posta um pouco de parte. Mas gostamos que gostem de nós. E, por isso, se o público diz apreciar, voltaremos a eles. Provavelmente com outro cariz.
Desta feita propomo-vos um desafio um pouco doloroso mas com forte pendor informativo: façam o favor de fazer contas à vida e vejam quantos euros mensais a menos representam os cortes dos subsídios de férias e de natal aplicados à função pública no âmbito das medidas de austeridade anunciadas pelo PM.
Nós ajudamos, particularmente os nossos alunos leitores.
Exercício: Imaginem uma casa onde pai e mãe são funcionários públicos e recebem remunerações de 1001 euros cada um.
1ª operação: somem as remunerações de 14 meses e dividam por 12 (meses).
2ª operação: somem apenas 12 remunerações (pois não podem contar com os subsídios de férias e de natal que não vão receber) e dividam por 12 (meses).
3ª operação: subtraiam o valor da 2ª operação ao valor da 1ª operação e vejam quanto dá a menos.
Voilá!!!
Respondam-nos, por favor, nos comentários.
Obviamente que podem exercitar com outros valores. Estes são uma mera proposta.
Pronto, pronto, não fiquem zangados. Fiquem só CONSCIENTES.
Prometemos voltar com outros desafios menos deprimentes.

5 comentários:

carmen madureira disse...

Nem sempre "as nossas palavras caem em ouvidos moucos!".
Pois é. Cá por casa somos os 2 funcionários públicos, professores do ensino secundário e as nossas contas já estão feitas. A redução por mês é bastante grande e já começámos a estudar onde vamos cortar nas despesas.
O nosso país só vai para a frente quando TODOS os que gastaram dinheiro mal gasto e nos colocaram nesta situação, forem presos por muitos anos. Isto de andar a estudar Filosofia em Paris...bem que podia ser aqui mesmo em Custóias...

carmen madureira disse...

Ah!...Como diria a Beatriz Costa:
"Por favor não escrevam "Voilá" que me fazem lembrar aquele senhor que está a estudar Filosofia em Paris...."

IL disse...

Cá em casa só um (eu) é funcionário público. Já fizemos as contas. São milhares de euros/ano!!! E se a isso adicionarmos o que já nos retiraram, mais ainda. Mensalmente, a diferença é muito significativa. Vai ser necessário fazer contas muito bem feitas. E não sei se todos as sabem fazer. Quando se está habituado a ter, é difícil voltar atrás e rever orçamentos. E, por vezes, mesmo que se saiba, os compromissos assumidos não permitem.
Lamento, de facto, a impunidade dos políticos que nos levaram a esta situação mas a fasquia dos 1000 euros é muito questionável (é rico aquele que recebe 1000 euros? já tem que contribuir desta forma brutal para os desvarios dos despesistas?).
Estou INDIGNADA.

Bia disse...

Menos os 5% que já nos tiraram e menos um congelamento eterno a que nos votaram...

IL disse...

E o IVA a fazer subir TUDO!