Número total de visualizações de página

segunda-feira, 14 de junho de 2010

"a emissão volta dentro de momentos"

Está a aproximar-se o final do ano lectivo e, com ele, o fim (ou não) do nosso projecto.
Tentámos, em vão, comunicar com Os Outros, de Timor e de Angola. Com muita pena nossa, não obtivemos feedback.

Claro que lançámos mão de um Plano B e o blogue tornou-se unilateral, no sentido em que Nós publicamos tudo: o que dizia respeito a Nós e o que dizia respeito aos Outros. Como tal, o que foi publicado no nosso blogue é da nossa inteira responsabilidade. E fizemo-lo com gosto. Nada nos impediu de continuar. Os nossos alunos, sobretudo, foram persistentes e procuraram o impensável.

O tempo encarregou-se de fazer deste blogue um blogue de divulgação das actividades da Nossa escola e do Nosso mundo. E, curiosamente, permitiu que aprendessemos muito. Sobre Nós e sobre o mundo.

Pretendemos continuar. Numa outra abordagem. Com uma nova equipa. Com outros objectivos.
Como diz Jorge Palma: "Enquanto houver estrada para andar, a gente vai continuar..."

Por último: um bem-haja a todos os alunos que aqui colaboraram e um muito obrigado a todos os que nos seguiram.

ZZZZZZZzzzzz... PPpppzzzz... Ppppvvvvvvvvvvvvvv... Pppfffffff...

Esperem, esperem. Não desliguem. Como dizia a RTP em tempo de avaria: "Pedimos desculpa por esta interrupção. A emissão volta dentro de momentos".
 
Até já!
EF e MC

quinta-feira, 10 de junho de 2010

Timor: exames à noite... por culpa do fuso horário

Ministra confrontada por alunos de Timor com exames à noite
Alunos queixam-se de desvantagem originada pelos fusos horários

A ministra da Educação foi confrontada esta quarta-feira com o descontentamento de alunos da Escola Portuguesa de Díli, em Timor-Leste, por serem obrigados a fazer exames à noite, noticia a Lusa.

A Escola Portuguesa de Díli funciona integrada no sistema de ensino português, pelo que os alunos têm de fazer os exames nacionais em simultâneo com os colegas que estudam em Portugal.

A diferença horária de oito horas entre os países origina que tenham de prestar provas à noite, sob efeito do cansaço, sem luz natural para fazer os exames e a horas em que já não têm transportes públicos para o regresso a casa, o que cria problemas de segurança.

A presença de Isabel Alçada, que cumpre uma visita oficial de cinco dias a Timor-Leste, foi aproveitada para transmitirem que, se o objectivo dos exames nacionais à mesma hora é o de todos os alunos serem tratados por igual, coloca-os em situação de desvantagem por causa dos fusos horários.

«Esta situação pode trazer-nos desvantagem e reflectir-se nas notas. É mais difícil concentrar-me à noite, principalmente a geometria descritiva que exige maior concentração», queixou-se Joana, uma das alunas do secundário.
Outro estudante, do 11.º ano de Ciências, referiu os problemas de segurança que se colocam aos alunos e alunas, no regresso a casa depois dos exames.

«Os transportes públicos acabam às 18:00 e não temos táxis nem microletes (miniautocarros) a circular perto da escola à hora a que acabam os exames. Nem todos os alunos têm transporte próprio para voltar para casa e alguns vivem em bairros onde às vezes há problemas», afirmou.

No diálogo com os alunos, Isabel Alçada deu a resposta possível no momento e alguns conselhos.
«Vocês estão numa idade cheia de energia, que devem canalizar para esses objectivos. Por isso pensem na melhor forma de naquele momento (do exame) estarem no vosso máximo. Têm de gerir a vossa energia e o vosso pensamento para darem o melhor. Este ano, não podemos fazer de outra maneira».

Em relação às saídas que a frequência da Escola Portuguesa permite, o ministro da Educação de Timor-Leste, João Câncio, salientou que os alunos ficam habilitados a entrar nas universidades dos países de Língua Oficial Portuguesa, incluindo em Universidades portuguesas, e que o Governo timorense está a preparar um programa de bolsas de estudo para proporcionar a frequência de cursos no estrangeiro.

texto in TVi24 e foto de EPA/ANTONIO DASIPARU

Nós, os de cá, desejamos aos alunos de lá MUITA ENERGIA (mesmo!) e aproveitamos para perguntar se alguém já antes tinha pensado nisto. É que, por muita energia que estes alunos possam ter, o caso é, no mínimo, insólito.

terça-feira, 8 de junho de 2010

Os meninos dançam? Claro!


Actividades Rítmicas Expressivas
Decorreu no dia 24 de Abril o III Encontro na modalidade de Actividades Rítmicas Expressivas na Escola Secundária de Rocha Peixoto - Povoa do Varzim, onde actuaram 45 grupos de dança. A nossa escola obteve um honroso 2º lugar na classificação geral tendo alcançado a melhor classificação de sempre, desde que este grupo foi formado há cerca de 2 anos e meio. No estilo de danças sociais, com uma coreografia Afro-Latina a nossa escola obteve o 1º lugar. Igualmente, noutro estilo de dança completamente diferente, Contemporânea/Moderna, a nossa escola obteve também um 1º lugar.
É de salientar que a única escola do distrito do Porto que actualmente faz frente aos trabalhos apresentados pela Escola Secundária de Águas Santas participa já na competição de Desporto Escolar há 6 anos consecutivos e num estilo de dança completamente distinto, Danças Urbanas. A excelente participação da nossa escola ao longo deste ano permitiu-nos sermos apurados para a fase regional do Desporto Escolar onde no último dia 8 de Maio, no Colégio Liceal de Lamas, em Sta Maria de Lamas, foram disputadas as Finais Regionais da zona Norte de Desportos Gímnicos e Actividades Rítmicas Expressivas.
O grupo da Escola Secundária de Águas Santas obteve um honroso 5º lugar obtendo a melhor classificação de sempre tendo apenas à sua frente Escolas com trabalhos dentro do estilo de Danças Urbanas.                                                              
                                                             texto de Alexandre Teixeira (in Portal do AEAS)

encontros com... luas

A Biblioteca Escolar participou na promoção de um encontro com a escritora Maria Teresa Maia Gonzalez, no Auditório do Venepor, em colaboração com as Bibliotecas Escolares do concelho da Maia e com a Biblioteca Municipal da Maia.

No dia 25 de Maio, o Agrupamento participou neste encontro com a participação da turma 4º H da Escola EB1 do Corim, orientada pela professora Alice Pinto, com um número intitulado "Fazendo Teatro", uma adaptação da obra "Rapariga Voadora".

No dia 26 de Maio, a escola sede participou neste projecto com três números:  "Luas (Des)feitas"- retratos de uma adolescente, uma adaptação de "A Lua de Joana" feita pela turma 12º E, no âmbito da Área Projecto e com a orientação da professora Cristina Viana; uma outra adaptação d' "A Lua de Joana" feita pela professora Margarida Serralheiro e representada por alunos das turmas 7º E e 7º F e um número intitulado "A Várias Vozes" com a participação do Clube de Leituras e do 7º A orientado pela professora Esmeralda Moura.

Centenário da República

O Departamento das Ciências Sociais e Humanas levou a efeito, no dia 29 de Abril de 2010, pelas 15h30m, no Auditório da Quinta da Caverneira, um colóquio subordinado ao tema, "A Primeira República: um percurso bibliográfico", tendo como orador o Doutor António José Queiroz.

Esta iniciativa marcou o início das Comemorações do Centenário da República que este Departamento leva a efeito e que se prolonga até Abril de 2011.

coisas que por cá acontecem

1º lugar conquistado numa das provas do Robotop 2010
Área de Projecto do 12ºC


Como tem vindo a ser comum nestes últimos anos, a nossa escola participou com grande mérito no Campeonato Nacional de Robótica em Santo Tirso (Robotop), que este ano decorreu nos dias 16, 17 e 18 de Abril. Estiveram presentes os 17 alunos do 12ºC.


De louvar, então, o 1º lugar conseguido no Seguimento de Pista, na categoria Dear Robot.


Na realidade, das 5 equipas da escola concorrentes nesta modalidade, tivemos uma outra em 2º lugar, que não teve direito a prémio (este ano foi atribuído um só prémio).


Agradecemos a todas as instituições e empresas que nos apoiaram financeiramente na realização dos robots na disciplina de Área de Projecto desenvolvidos pelos alunos do 12ºC com a professora Helena Ferraz.